O Pe. Nguyen Van Ly é um Sacerdote que se mostra fiel aos ensinamentos da Igreja. Cresceu no Vietnã, país assolado pelo regime comunista, opositor da liberdade e da fé. Desde que foi ordenado, se comprometendo em seguir o Magistério, iniciou uma empreitada apostolar pessoal; o combate ao totalitarismo genocida socialista. Nessa luta contra Hanói, foi condenado a 8 anos de prisão, em março desse ano, depois de ter sido acusado de fazer “propaganda contra o regime comunista”.

O Sacerdote vietnamita promovia e se engajava pela instauração da democracia. Criou com isso o “bloco 8406″, com dois mil adeptos. Foi acusado de apoiar grupos vistos como ilegais pela ditadura marxista, como o Partido Progressista do Vietnã. Todas as suas condenações giravam em torno da defesa da liberdade, da moral, da ética, valores diametralmente opostos aos defendidos pelo marxismo ateu. A liderença vietnamita, em seu combate ao cristianismo, chegou a ponto de garantir água potável, bem raro num país assolado e destruído, a todos os cidadãos que apostatassem da fé em Cristo. “Em muitas aldeias, são negados aos cristãos o acesso a poços locais. Muitos estão em necessidade desesperada de beber água potável, principalmente os missionários”, afirmou uma fonte anônima de ajuda a Igreja.

Baseado na fé em Jesus, Pe. Nguyen Van Ly combate o comunismo e todas as suas atrozes atitudes. Exemplo para religiosos brasileiros que apóiam a metodologia marxista, mesmo condenada pelo Magistério, desconhecendo a realidade do clero venezuelano, vietnamita, cambojano, chinês, das nações que seguem a cartilha vermelha.

A polícia do Vietnã prendeu os dissidentes do regime, incluindo Pe. Nguyen Van Ly e outros defensores do verdadeiro direitos humanos. O Sacerdote já havia ficado 14 anos na prisão pelos mesmos motivos nobres e valorosos. O juiz Bui Quoc Hiep afirmou; “O comportamento dos acusados equivale a propaganda contra o Estado socialista”. Na moral cristã lutar contra o comunismo não é crime, mas dever de todo homem que busca a vivência sincera da fé em Nosso Senhor.

O Pe. Nguyen Van Ly, de 59 anos, é um problema para Hanói, além de defender a liberdade, democracia e moral, tornou-se uma figura pública. Na primeira vez que foi preso usaram como pretexto a luta que o sacerdote tinha contra “unidade nacional”, conjunto de ensinamentos pró-nacionalistas e anti-clericais, ensinado nas escolas.

No Vietnã existe a política de “Crenças e Organizações Religiosas”, que combate a fé e se opõem aos ensinamentos da religião, repudiadas pelo Estado. Os líderes religiosos ainda são obrigados a acatarem os preceitos da “unidade nacional”, educando as crianças na doutrinação marxista, o que é obviamente rechaçado pelo clero católico vietnamita.

Pe. Nguyen Van Ly combate e continuará combatendo o regime comunista, se alicerçando na DSI e na moral católica, que repudia a metodologia marxista e a violência que ela gera. O Vietnã já produziu um santo homem, François-Xavier Cardeal Nguyên Van Thuân, em processo de canonização, que também sofreu pela fé, sendo preso e torturado pelos comunistas. No cárcere conseguiu vivenciar de maneira singular o amor em Cristo, e desse amadurecimento vieram palavras tão confortantes, e que hoje com certeza se encaixam perfeitamente nos sofrimentos que Pe. Nguyen Van Ly padece; “Vinham-me à mente muitos pensamentos confusos: tristeza, abandono, cansaço depois de três meses de tensões… Porém, em minha mente surgiu claramente uma palavra que dispersou toda a escuridão, a palavra que Monsenhor John Walsh, Bispo missionário na China, pronunciou quando foi libertado depois de doze anos de cativeiro: ‘Passei a metade da minha vida esperando’. É verdadeiríssimo: todos os prisioneiros, inclusive eu, esperam a cada minuto sua libertação. Porém, depois decidi: ‘Eu não esperarei. Vou viver o momento presente, enchendo-o de amor.”

Facebook Comments

Livros recomendados

Não Trago Ouro Nem PrataOrdemPoesia Reunida: 1985-1999