Gesto magnânimo:

Em síntese: No domingo 12 de março pp. realizou-se na basílica de São Pedro em Roma a solene cerimônia de pedido de perdão por parte do Papa João Paulo II. A fim de dissipar equívocos e se poder avaliar claramente o alcance de tal rito, vai, a seguir proposto o texto das orações proferidas então pelo Santo Padre.

 

* * *

No domingo 12 de março de 2000 realizou-se cerimônia inédita em toda a história da Igreja. Dotada de repercussão mundial, essa função nem sempre foi bem entendida pela imprensa escrita e falada, quando noticiou: "O Papa pediu perdão!". Ora, a fim de desfazer equívocos, vai, a seguir, transcrito o texto das orações então proferidas pelo Papa.

Três observações prévias se impõem:

1) O Papa pediu perdão pelas faltas dos filhos da Igreja, e não por faltas da Igreja. Esta distinção já foi explanada em PR 452/2000, pp. 2-8.

2) O Papa pediu perdão diretamente a Deus, reconhecendo todas as falhas cometidas na história da Igreja por cristãos que se afastaram do Evangelho (muitas vezes de boa fé, julgando até estar servindo a Deus num zelo fervoroso).

3) O Papa concede o perdão a todos os que têm infligido perseguição aos filhos da Igreja, muitas vezes vítimas do ódio de seus semelhantes. O século XX, em particular, foi um período de numerosos mártires devidos ao comunismo, ao nacional-socialismo de Hitler e a outras ideologias, que atuaram na Europa, na Ásia, na África e na América. Ver a respeito PR 456/2000 pp. 194-208.

Tais ponderações decorrem de atenta leitura dos textos que se seguem.

 

CONFISSÃO GERAL

"Confessemos nossas responsabilidades de cristãos pelos males de hoje. Frente ao ateísmo, à indiferença religiosa, ao secularismo, ao relativismo ético, às violações do direito à vida, à falta de interesse pela pobreza de numerosos países, não podemos deixar de nos perguntar quais são as nossas responsabilidades. Ao mesmo tempo, enquanto nós confessamos nossas faltas, perdoamos as faltas cometidas pelos oufros contra nós. No decorrer da história, os cristãos tiveram que sofrer vexames, violência e perseguições por causa da sua fé".

 

CONFISSÃO DE FALTAS EXPLÍCITAS E PEDIDO DE PERDÃO

Exortação Inicial do S. Padre

Irmãos e Irmãs, com confiança supliquemos Deus nosso Pai misericordioso e compassivo, lento à cólera e cheio de amor e fidelidade, e peçamos-Lhe que acolha o arrependimento do seu povo, o qual confessa humildemente as suas faltas e lhe conceda a sua misericórdia.

A assembléia reza, por instantes, em silêncio.

 

I. Confissão dos pecados em geral

Cardeal Bernardin Gantin, decano do Colégio Cardinalício:

Oremos para que nossa confissão e nosso arrependimento sejam inspirados pelo Espírito Santo, a fim de que nossa dor seja consciente e profunda e, considerando com humildade as faltas do passado numa autêntica purificação da memória, nós nos encaminhemos por uma via de verdadeira conversão.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Senhor Deus, tua Igreja peregrina, sempre santificada por Ti no sangue do teu Filho, reúne em seu seio, em todos os tempos, membros que brilham pela santidade e outros que, recusando obedecer-lhe, contradizem à fé que eles professam assim como ao santo Evangelho. Tu, que permaneces fiel, mesmo quando nos tornamos ínfiéis, perdoa nossas faltas e concede-nos ser; entre os homens, tuas autênticas testemunhas. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

O Cantor:

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

A assembléia repete:

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

II. Confissão das faltas cometidas no serviço da Verdade

Cardeal Joseph Ratzinger, Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé:

Oremos para que cada um de nós, reconhecendo que homens da Igreja, em nome da fé e da Moral, por vezes recorreram, eles também, a métodos não evangélicos, ao cumprir seu dever de defender a verdade, saiba imitar o Senhor Jesus, manso e humilde de coração.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Senhor, Deus de todos os homens, em certas épocas da história, os cristãos por vezes se entregaram a métodos de intolerância e não observaram o grande mandamento do amor; poluindo assim o semblante da Igreja, tua Esposa. Mostra tua misericórdia a teus filhos pecadores e acolhe nosso firme propósito de procurar e promover a verdade na suavidade da caridade, conscientes de que a verdade não se impõe senão em virtude da verdade ela mesma. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

III. Confissão dos pecados que afetaram a unidade do Corpo de Cristo

Cardeal Roger Etchegaray, Presidente da Comissão do Grande Jubileu do ano 2000:

Oremos para que o reconhecimento dos pecados que romperam a unidade do Corpo de Cristo e feriram a caridade fraterna aplaine o caminho para a reconciliação e a comunhão de todos os cristãos.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Pai misericordioso, na véspera de sua Paixão, teu Filho rogou pela unidade daqueles que nele crêem; todavia, à revelia da sua vontade, eles se opuseram e dividiram entre si; eles se condenaram mutuamente e combateram uns contra os outros. Invocamos com força o teu perdão e Te pedimos que nos dês um coração arrependido, a fim de que todos os cristãos, reconciliados contigo e entre si, constituam um só corpo e um só espírito, e possam viver de novo a feliz experiência da plena comunhão. Por Jesus Crísto nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

IV. Confissão das faltas cometidas no relacionamento com Israel

Um Representante da Cúria Romana:

A oração do Cardeal Edward Idris Cassidy, Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos:

Oremos para que, ao se recordarem dos sofrimentos padecidos pelo povo de Israel no decorrer da história, os cristãos saibam reconhecer os pecados cometidos por vários deles contra o povo da Aliança e das Bênçãos e assim purifiquem seu coração.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Deus de nossos pais, escolheste Abraão e sua descendência para que teu Nome seja levado aos povos. Pedimos-Te perdão pelo comportamento daqueles que, no decorrer da história, os fizeram sofrer, a eles que são teus filhos, e desejamos comprometer-nos a viver uma autêntica fraternidade com o povo da Aliança. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

V. Confissão das faltas cometidas por comportamentos contrários ao amor, à paz, aos direitos dos povos, ao respeito das culturas e das religiões.

Um Representante da Cúria Romana:

A oração de Monsenhor Stephen Hamao, Presidente do Pontifício Conselho para a Pastoral dos Migrantes e das Pessoas Itinerantes:

Oremos para que, na contemplação de Jesus, nosso Senhor e nossa Paz, os cristãos saibam arrepender-se das palavras e dos comportamentos que por vezes lhes foram sugeridos pelo orgulho, pelo ódio, pela vontade de dominar os outros, pela inimizade para com os adeptos de outras religiões e para com grupos sociais mais fracos, como são os imigrantes e itinerantes.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Senhor do mundo, Pai de todos os homens, por intermédio de teu Filho, Tu nos pediste que amemos os nossos inimigos e façamos o bem aos que nos perseguem. Contudo freqüentemente os cristãos renegaram o Evangelho e, cedendo à lógica da força, violaram os direitos de etnias e de povos, desprezando suas culturas e suas tradições reilgiosas. Mostra-nos a tua paciência e a tua misericórdia e perdoa-nos! Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

VI. Confissão dos pecados que feriram a dignidade da mulher e a unidade do gênero humano

Um Representante da Cúria Romana:

Oração do Cardeal Francis Arinze, Presidente do Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso:

Oremos por todos os que foram ofendidos em sua dignidade humana e viram seus direitos conculcados. Oremos pelas mulheres muito freqüentemente humilhadas e marginalizadas, e reconheçamos que os cristãos, por diversas modalidades de consentimento, disso se tornaram culpados também eles.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Senhor Deus, nosso Pai, criaste o ser humano, homem e mulher à tua imagem e à tua semelhança e quiseste a diversidade dos povos na unidade da família humana; às vezes, porém, a igualdade dos teus filhos não foi reconhecida e os cristãos se tornaram culpados de atitudes de marginalização e de exclusão, consentindo em discriminações motivadas pela diferença de raça ou de etnia. Perdoa-nos e concede-nos a graça de curar as feridas ainda presentes na tua comunidade por causa do pecado, de modo que todos nos sintamos teus filhos. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

VII. Confissão dos pecados no setor dos direitos fundamentais da pessoa

Um Representante da Cúria Romana:

A oração do Monsenhor Nguyên van Thuân, Presidente do Pontifício Conselho "Justiça e Paz":

Por todos os seres humanos do mundo, especialmente pelos menores feitos vítimas de abusos, pelos pobres e os marginalizados, os abandonados. Oremos por aqueles que estão sem defesa, pelas crianças ainda não nascidas, extintas no seio materno ou até utilizadas para servir a experiências por parte daqueles que abusaram das possibilidades proporcionadas pela biotecnología, desviando assim as finalidades da ciência.

A assembléia reza em silêncio.

Oração do Santo Padre:

Deus, nosso Pai, Tu que escutas sempre o clamor dos pobres, muitas vezes os cristãos mesmos não Te reconheceram naqueles que têm fome, têm sede, estão desnudos, naqueles que são perseguidos, naqueles que estão encarcerados, naqueles que não têm possibilidade alguma de se defender, principalmente nas primeiras etapas da existência. Por todos aqueles que cometeram injustiças, confiando apenas na riqueza e no poder, desprezando os pequeninos, que Te são tão caros, nós Te pedimos perdão. Tem piedade de nós e acolhe o nosso arrependimento. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Kyrie eleison, Kyrie eleison, Kyrie eleison.

Acende-se uma lâmpada diante do Crucifixo.

 

ORAÇÃO CONCLUSIVA

Oração do Santo Padre:

Ó Pai misericordioso, teu Filho Jesus Cristo, Juiz dos vivos e dos mortos, na humildade da sua primeira vinda resgatou a humanidade presa do pecado, e, por ocasião do seu retorno na glória, Ele pedirá conta de todas as faltas. Aos nossos pais, aos nossos irmãos e a nós teus servidores que, movidos pelo Espírito Santo, voltamos a Ti, com o coração cheio de arrependimento, concede a tua misericórdia e o perdão dos pecados. Por Jesus Cristo nosso Senhor.

R. Amém.

Em sinal de penitência e veneração, o Santo Padre abraça o Crucifixo.

 

Observação Final

À guisa de observação final, é oportuno notar que o reconhecimento de faltas cometidas por filhos da S. Igreja não afeta a infalibilidade do Sumo Pontífice quando define alguma proposição de fé ou de Moral. A infalibilidade assim entendida não implica impecabilidade. Nem a Igreja como tal perde a sua indefectibilidade doutrinária pelo fato de que seus filhos cometam faltas de índole moral. O Espírito Santo, prometido por Jesus (cf. Jo 14, 26; 16,13-15), continua a assistir à Igreja para que guarde e transmita incólume o depósito da Revelação.

 

Facebook Comments

Livros recomendados

Recordações sobre Mons. EscriváA boa vontadeDevocionário à Divina Misericórdia –  Vol. II