Nome do leitor: anilson
Cidade/UF: sao paulo
Religião: catolica
Email do Leitor: [email protected]

Mensagem
========

gostaria de saber o significado da gota d´água que é adicionado ao vinho, na celebração

Caríssimo sr. Anilson, estimado em Cristo,

Ao misturar a água ao vinho, o sacerdote (ou o diácono, se preparar os dons antes das oblações) diz:

“Per huius aquæ et vini mystérium eius efficiámur divinitátis consórtes, qui humanitátis nostræ fíeri dignátus est párticeps.” (Missale Romanum, Ordo Missae)

A tradução da CNBB para esse trecho é: “Pelo mistério desta água e deste vinho possamos participar da divindade do vosso Filho, que se dignou assumir a nossa humanidade.” (Missal Romano, Ordinário da Missa)

Nessa oração, já percebemos o sentido da mistura: assim como um a água e o vinho, misturados, tornam-se um só, nós também, pela graça (a partir da Encarnação, quando Cristo assumiu nossa natureza humana sem deixar a sua natureza divina), unindo-nos a Deus nos tornamos um só com Ele. A cerimônia simboliza a união entre a natureza humana e a divina, e, do mesmo modo como uma gota d’água, misturada no vinho, nele se dissolve, tornando-se vinho, nós também, plenos da graça seremos como que divinizados (sem, entretanto, deixarmos nossa natureza humana).

De outra sorte, do Coração de Cristo, lemos no Evangelho, saíram o Preciosíssimo Sangue e um pouco de água. Misturar água ao cálice também recorda esse momento da Paixão de Nosso Senhor.

Enfim, antiga tradição oral nos ensina que Jesus procedeu desse modo na última Ceia.

Por esses três motivos, o Concílio Ecumênico de Trento nos ensina: “Alerta também o Santo Concílio, que é preceito da Igreja, que os sacerdotes misturem água com o vinho que haverão de oferecer no cálice, seja porque se crê que assim o fez Cristo nosso Senhor, seja também porque na chaga de seu lado, na cruz, verteu água e sangue, cuja mistura nos recorda aquele mistério, e chamando o bem-aventurado Apóstolo São João aos povos de ‘Águas’, se representa a união do mesmo povo com sua cabeça, Cristo.” (Conc. de Trento, Cap. VII, Sessão XII)

Saudações cordiais e fraternas,

Facebook Comments

Livros recomendados

A Educação Superior e o Resgate Intelectual – O Relatório de Yale de 1828Energia NuclearA Minha Igreja