Simplesmente porque também é impossível se conceber a coexistência de duas ou mais essências soberanamente perfeitas e infinitas. Ora, para alguém ser soberanamente perfeito e infinito é preciso não haver outro igual, pois o “não haver outro igual” é também uma perfeição absoluta.

Facebook Comments

Livros recomendados

A Paz na FamíliaPara Vencer o Medo e Derrotar o DragãoFilhos e Pais – Sabedoria e orientação para os pais