Documentos da Igreja

Prefácio do cardeal joseph ratzinger ao documento «a interpretação da bíblia na igreja»

PONTIFÍCIA COMISSÃO BÍBLICA

O estudo da Bíblia é como a alma da Teologia, assim diz o Vaticano II referindo-se a uma palavra do Papa Leão XIII (DV 24). Este estudo jamais chega ao fim; cada época deverá, de um modo novo e próprio, procurar compreender os Livros Sagrados. O aparecimento do método histórico-crítico inaugurou uma nova época na história da interpretação bíblica. Com este método surgiram novas possibilidades de compreender o texto bíblico em sua originalidade. Como tudo o que é humano contém também este método, ao lado de suas possibilidades positivas, certos perigos: a busca do sentido original pode levar a se reter completamente a Palavra no passado e a não permitir que seja percebida em sua atualidade. Com isto pode deixar somente a dimensão humana da Palavra aparecer como real, enquanto o autor mesmo, Deus, encontra-se fora do alcance, por se tratar de um método que foi elaborado precisamente para a compreensão das realidades humanas. O emprego de um método « profano » na Bíblia deveria provocar debates. Tudo o que ajuda um melhor conhecimento da verdade e uma disciplina das próprias representações é útil e valioso para a Teologia. Neste sentido deve este método encontrar acolhida no trabalho teológico. Tudo o que limita nosso horizonte e nos impede de olhar e escutar o que está para além do meramente humano deve ser rompido. Deste modo o aparecimento do método histórico-crítico pôs igualmente em movimento uma disputa em torno de seu alcance e de sua correta forma, disputa esta que de modo algum está encerrada.

Nesta disputa o Magistério da Igreja Católica várias vezes já tomou posição através de importantes documentos. Primeiramente o Papa Leão XIII, no dia 18 de novembro de 1893, com a encíclica Providentissimus Deus, assinalou algumas indicações no mapa da exegese. Se numa época em que surgia um liberalismo extremamente seguro de si e consequentemente dogmático, Leão XIII se exprimiu sobretudo de modo crítico, sem excluir contudo o que havia de positivo nas novas possibilidades, cinquenta anos mais tarde graças ao fecundo trabalho de grandes exegetas católicos, o Papa Pio XII em sua encíclica Divino afflante Spiritu, de 30 de setembro de 1943, pôde sobretudo encorajar de modo positivo o uso de métodos modernos para tornar fecunda a compreensão da Bíblia. A Constituição do Concílio Vaticano II sobre a divina revelação, Dei Verbum, de 18 de novembro de 1965, aproveita tudo isto; este documento nos presenteou com uma síntese, que permanece determinante, constituída pelas intuições perenes da teologia dos Santos Padres e pelos novos conhecimentos metodológicos modernos. Neste meio tempo o espectro dos métodos do trabalho exegético se ampliou de um modo que não se poderia prever trinta anos atrás. Aparecem novos métodos e novas vias de acesso que vão do estruturalismo até a exegese materialista, psicanalista, liberacionista. Por outro lado existem também novas tentativas em curso para recuperar novamente os métodos da exegese patrística e para abrir formas renovadas de uma interpretação espiritual da Escritura. Deste modo, cem anos depois da Providentissimus Deus e cinquenta anos depois da Divino afflante Spiritu, a Pontifícia Comissão Bíblica considera seu dever buscar um posicionamento da exegese católica na presente situação. A Pontifícia Comissão Bíblica, depois de ocorrida sua reformulação na linha do Vaticano II, não é um órgão do Magistério mas uma comissão de peritos. Seus membros são igualmente responsáveis diante da ciência e diante da Igreja quando se posicionam, como exegetas cristãos, com relação aos problemas essenciais da interpretação da Escritura, sabendo que nesta tarefa gozam da confiança do Magistério. Foi assim que surgiu o presente documento. Ele fornece uma fundamentada visão geral do panorama dos métodos atuais e oferece assim aos que procuravam uma orientação sobre as possibilidades e limites destes caminhos. Pressupondo tudo isto, o texto põe a questão de como pode ser então conhecido o sentido da Escritura. Este sentido no qual se interpenetram palavra humana e Palavra Divina, a singularidade histórica do acontecimento e a perenidade da Palavra eterna, que é contemporânea a qualquer época. A palavra bíblica provém de um passado real, mas não somente do passado, porém igualmente da eternidade de Deus. Ela nos introduz na eternidade divina, mas de novo pelo caminho do tempo, ao qual pertencem o passado, o presente e o futuro. Creio que o documento é realmente útil para a grande questão que gira em torno da via correta para a compreensão da Sagrada Escritura, sendo que fornece elementos que vão além da mesma. Ele retoma a linha das encíclicas de 1893 e 1943, e as desenvolve de modo fecundo. Desejo agradecer aos membros da Comissão Bíblica pelo trabalho paciente e freqüentemente penoso, através do qual gradualmente este texto se constituiu. Desejo ao documento uma vasta difusão, para que seja uma contribuição eficaz na busca de uma mais profunda assimilação da Palavra de Deus na Sagrada Escritura.
Roma, na festa de São Mateus Evangelista 1993.

JOSEPH Cardeal RATZINGER

Facebook Comments

Livros recomendados

Chesterton – AutobiografiaA superstição do divórcioSanto Tomás de Aquino (Chesterton – Ecclesiae)

About the author

Veritatis Splendor

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.