Significa que o homem “sente internamente” que Deus existe, porque isto foi impresso no seu coração, de modo que não existe nem nunca jamais existiu povo ou nação que não tenha reconhecido a existência de Deus, nem homem algum que nas ocasiões que se lhe apresentaram imprevisíveis ou perigosas não se voltou para Deus, a fim de invocar o Seu auxílio, através de um sentimento natural que Tertuliano chama de “testemunho de uma alma naturalmente cristã” (Apologia 17). Por isso afirma Davi: “Gravastes em nós, Senhor, a luz do Teu rosto” (Salmo 4).

Facebook Comments

Livros recomendados

Os axiomas de Zurique – Os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentosO trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”Tibieza e os dons do Espírito Santo