Este sacramento pode ser recebido pelo fiel que começa a encontrar-se em perigo de morte por doença ou velhice. O mesmo fiel pode recebê-lo também outras vezes se a doença se agrava ou então no caso de outra doença grave. A celebração deste sacramento, se possível, deve ser precedida pela confissão individual do doente.

Facebook Comments

Livros recomendados

A monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e SilvaProgresso na Vida Espiritual (Edições Livre)O trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”