(Parte I – Introdução)

Esta é uma série de refutações do livro “Por amor aos católicos romanos”, de Rick Jones. A primeira parte que analisaremos é esta http://www.chick.com/reading/books/0221/0221_intro.asp . Aqui consta a Introdução. Vou citar as palavras originais do artigo em preto e minhas respostas em azul. Agradeço ao irmão Alessandro Lima por seu crédito em algumas respostas aqui.

Neste livro examinaremos 37 das mais importantes doutrinas Católicas Romanas; então deixemos que os fatos falem por si mesmos.

É o que vamos esperar. Contudo, como veremos, na verdade BOA parte do livro são idéias pressupostas de Rick Jones e outros, misturando-se num amálgama indigesto. A má representação da fé católica será vista em várias páginas.

Aqui você não vai encontrar opiniões ou filosofias pessoais. São declarações verdadeiras das doutrinas da Igreja Católica Romana e como essas doutrinas são comparadas com a Bíblia. Você deve tirar suas próprias conclusões e tomar suas próprias decisões.

Não é que vai parecer depois de analisarmos o livro, onde Rick claramente é envenenado por seu anticatolicismo. O livro não é sério e é somente um panfleto anticatólico.

Este livro não está sendo escrito para julgar ou condenar. Seu único propósito é ajudá-lo a entender melhor a doutrina Católica, a fim de que esteja preparado para comparecer diante do Julgamento de Deus, como todos nós teremos de fazêlo, depois da morte.

O autor, que é um mentiroso de primeira, diz que não quer julgar ou condenar.
Mas você que já leu este texto, comprovou o tamanho da mentira, não é mesmo?

Mesmo porque a Bíblia revela que o Senhor vai dizer estas palavras a muitas pessoas religiosas. Sabendo isto, é vital que você não siga qualquer um cegamente. Estude estas doutrinas Católicas Romanas por você mesmo, a fim de poder encarar Deus com confiança.

É verdade, Jesus dirá isto aos protestantes que se intitulam Bispos e Pastores, sem terem recebido autoridade apostólica para fazer isto. E também dirá aos padres que não ensinam o que a Igreja ensina.

(Parte I – Quem é a Autoridade Final?)

Aqui encontramos nossa primeira grande discrepância. A Bíblia declara que ela é a única e final autoridade, enquanto o Catolicismo ensina que existem três autoridades finais. O Catecismo da Igreja Católica, de 1994, declara:

Resta saber ONDE a Bíblia declara isso. Sim, pois em NENHUM lugar a Bíblia diz ser a ÚNICA regra de fé e prática, como promulgado pelo protestantismo.

A questão óbvia é o que acontece quando estas três “autoridades finais” discordam entre si. O Catecismo dá a resposta:

A questão não provada pelo autor é ONDE as três autoridades se discordam. Começaram as afirmações gratuitas. Agora pergunto: onde ficou o “Aqui você não vai encontrar opiniões ou filosofias pessoais”?

Como disse Bob Stanley:

O Depósito da Fé da Igreja Católica consiste na Sagrada Escritura, na Santa Tradição e no Magistério em união com nosso Santo Padre o Papa. Podemos compará-lo com um banquinho de três pés, no qual cada pé tem sua função própria e específica. Este banquinho de três pés está firmemente fincado na rocha sólida da Igreja Católica. Leia Mat 16,18, João 1,42, Ef 2,20, 1Ped 2,4-8. Um banquinho de três pés tem força, é firme, estável, sólido e forte. Isto é bom e está bem. Entretanto, o que acontece se cortamos um pé? O banquinho se torna instável e cai.
Durante a Reforma Protestante, os reformadores se separaram de um daqueles três pés de estabilidade. Eles rejeitaram o Papa e o Magistério, a autoridade docente da Igreja Católica. Eles amputaram um pé do banquinho de propósito e, ao fazer isso, perderam toda a autoridade. Perderam o árbitro das disputas entre pontos de vista opostos a respeito de fé e moral.

Leia Mat 18,15-18.

Eles amputaram a si mesmos da Coluna e Sustentáculo da Verdade que é a Igreja Católica.
Eles também criaram para si mesmos um banquinho instável, que balançava e estava sujeito facilmente a tombar e se despedaçar.

Por conseguinte, o Catecismo conclui que a única autoridade final não é a Bíblia, mas o ensino em voga da Igreja Católica, uma vez que ela é a única qualificada para prover a “interpretação autêntica” da Palavra de Deus.

Mas é claro. Jesus confiou à Igreja o poder de interpretar a Bíblia pois lhe deu o poder de ligar e desligar. Mas este poder de interpretação não é gratuito e disparate como pensam os protestantes. Jesus prometeu a Igreja o Espírito da Verdade para lhe guiar em toda a verdade (Jo.16.13).

Jesus Cristo deu uma autoridade mais alta para resolver disputas entre pessoas, mesmo quando há duas ou mais testemunhas. Ele lhes disse para apelar para a Igreja em Mt 18,17: “Mas se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano (um coletor de impostos para o Império Romano).” Aqui, Cristo deu autoridade total à Sua Igreja.

Mas a Bíblia concorda? Se a Bíblia, a Tradição e os ensinos da Igreja Católica são todos, de fato, a Palavra de Deus, então a Bíblia vai concordar com este ensino. Infelizmente, para o Catolicismo, não é assim. De fato, é realmente o contrário. Deus declara na Bíblia que Sua Palavra escrita sempre tem sido e sempre há de ser – perfeita:
“As tuas palavras são em tudo verdade desde o princípio, e cada um dos teus justos juízos dura para sempre.” Salmo 119:160.

Não há nada aí que insinue o sola scriptura, como Rick Jones quer. Não vemos nada aí contrariando o ensino católico. Rick dá tiros n’água.

A Bíblia declara audaciosamente que ela é a única autoridade final.
“Santificaos na verdade; a tua palavra é a verdade.” João 17:17

O quê? Será que Rick Jones, o grande, conseguiu o que nenhum protestante conseguiu, que é encontrar O versículo que prova osola scriptura (doravante SS)? Infelizmente, para ele, este versículo não está falando nada do que ele quer. Há passagens no Novo Testamento que indicam que a instrução e ensinos orais são válidos. Isto contradiz o SS, que ensina para isso só a Escritura é autorizada. Certamente, os escritores do Novo Testamento não acreditaram nisso:
Ainda tinha muitas coisas que vos escrever; não quis fazê-lo com papel e tinta, pois espero ir ter convosco, e conversaremos de viva voz, para que a nossa alegria seja completa. (IIJo.1.12)
Este versículo é devastador aos que seguem o Sola Scriptura. Aqui nós temos um caso onde João prefere compartilhar as informações oralmente em vez de escrevê-las. Seja o que forem estas “muitas coisas”, elas não estão na Bíblia. Como nós podemos saber delas, exceto através da Tradição? Os católicos crêem, mais do que ninguém, que a Bíblia é a Palavra de Deus, muito antes de Lutero e seus amigos surgirem na esfera terrestre. O ônus da prova cabe a Rick provar onde aí fala contra a Tradição e o Magistério.
Se não fosse pela Igreja católica ter discernido o cânon no Concílio de Roma (382) e Cartago (392), os protestantes nem saberiam “que palavras são a verdade”, pois muitos livros, durante os três primeiros séculos, estavam sendo candidatos a serem “palavras de Deus”.

No Livro de Apocalipse, Deus entrega esta afiada admoestação contra quem rasurar sua Palavra escrita:

Mentira! A citação não se refere à Bíblia inteira, mas às palavras “deste livro” (o Apocalipse). Daí vemos a péssima exegese de Rick Jones, que infelizmente, passou para muitos protestantes brasileiros.

O Apóstolo Paulo avisa aos leitores da Bíblia como deveriam reagir contra os que ensinam doutrinas contrárias à Palavra de Deus escrita:

Claro que na mente de Rick Jones vai estar “TODA a doutrina ensinada anteriormente pelos discípulos” (como se referisse a tudo o que está escrito na “Bíblia” ou o SS). Mais uma vez ele deu tiros n’água. Como é de praxe desses autores, analisar versículos fora do contexto ou significado original para se adequar à sua teologia, virou costume. A que doutrinas Paulo se refere aqui? São os ensinos que eles (os romanos) receberam por esta epístola e em outro lugar; o ensino de que estas divisões deveriam cessar; que as cerimônias judaicas não deveriam ser mais obedecidas; que todos deveriam colocar de lado as antigas causas de diferença, e ficarem unidos em uma família. Veja Rm. 14 e 15. Nada aqui falando do SS.

E cabe ao Rick e amigos provarem em quê a Tradição e o Magistério discordam da Bíblia. Embora os protestantes afirmem não ter um Magistério pedagógico, eles na verdade tem. Cada denominação tem seus próprios teólogos e estudiosos cujos ensinos são considerados autorizados e que é obrigatório aos membros daquela denominação.

Paulo adverte os crentes verdadeiros a evitar qualquer pessoa que ensine doutrinas contrárias às escritas nas Escrituras. Ele também revela as conseqüências de crer em tais ensinos falsos: “Mas ainda que nós, ou mesmo um anjo vindo do céu vos pregue (outro) evangelho que vá além do que vos temos pregado, sejaanátema.” Gálatas 1:8

E onde aqui vemos que a Igreja católica prega um outro evangelho? Muito antes de Lutero & Cia. a Igreja já ensinava a todos que Jesus é o caminho, a verdade e a vida. Rick só faz citações gratuitas, fora do contexto e no sentido que ele quer (não está se tornando assim um próprio interprete da Bíblia?)

O autor de Provérbios entrega a mesma dura advertência a qualquer um que se atreva a mudar a Palavra de Deus escrita: “Toda Palavra de Deus é pura; ela é escudo para os que nele confiam. Nada acrescentes às suas palavras, para que não te repreenda e sejas achado mentiroso.” Provérbios 30:5-6

O autor deveria lembrar isso a Lutero, que incluiu a palavra ‘SÓ’ em Rm.3.28. A Igreja católica sim, foi a que preservou a Bíblia intacta durante séculos, dos ataques dos hereges, daqueles que queriam mexer em seu conteúdo, alterando-o. Não foi a Igreja que alterou/adicionou/subtraiu palavras da Bíblia mas foram protestantes com suas falsas versões como a de Wycliffe, Tindale e mais atualmente na versão das Testemunhas de Jeová.

A Palavra de Deus permanece para sempre! Deus diz que sua Palavra foi escrita uma vez, a fim de permanecer para sempre.

Nos textos seguintes o autor só faz um tremendo qüiproquó de textos que não tem absolutamente nada a ver com o SS. Os católicos crêem na Bíblia. O problema para Rick Jones é que nenhum desses versículos que ele cita diz que a ‘Bíblia’ é TODA regra de fé e prática.

A Palavra de Deus é perfeita! A Palavra de Deus não pode ser mudada, porque ela é perfeita em todo sentido: “A Lei do Senhor é perfeita e restaura a alma…” Salmo 19:7

Péssima eisegese, Rick. No original hebraico, a palavra traduzida aqui por “lei” é Torá (o Pentateuco). Se levarmos ao pé-da-letra como quer Rick e Jack Chick, teríamos que seguir SÓ a Torá e o que está escrito no Pentateuco. Lógico que eles não vão aceitar isso. Mas se sentem à vontade em citar versículos que não provam nada (e muitas vezes vão CONTRA eles) do que eles pregam.

O Catolicismo proclama que somente o líder da Igreja Católica pode interpretar devidamente a palavra escrita, mas a Bíblia discorda: “…nenhuma profecia da Escritura provém de particular interpretação. Porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana, entretanto homens santos falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo.” 2 Pedro 1:20-21

Curiosamente o tiro saiu pela culatra, onde vemos que as milhares de denominações protestantes estão espalhadas como fragmentos de uma bomba por exatamente cada uma interpretar a Bíblia do SEU jeito. Um exemplo: o adventismo diz que a guarda do sábado é essencial para a salvação, assim como se abster de carne de porco e diz se basear na Bíblia para isso. Já um batista não concorda com nada disso e SE BASEIA também na Bíblia. A não ser que a Bíblia adventista for diferente da batista (o que não é o caso) temos aqui uma incongruência. Portanto, vemos que cada protestante (ou grupo) se torna seu próprio papa particular.

Onde Deus quer que seu povo obtenha sua doutrina… de um padre – ou da Bíblia?
“Toda escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça.” 2 Timóteo 3:16

Claro que este é o versículo-chave de onde os protestantes se baseiam para o SS. Infelizmente, não diz nada do que querem. Acredito que seja porque quando citados em contexto, os versículos mostram claramente a falácia da SS e não a apóiam de maneira alguma. Exegese Bíblica fora de contexto é o maior motivo pelo qual muitos simplesmente entendem a Sagrada Escritura de maneira errada.

Você deveria sempre começar com o primeiro versículo de um capítulo a fim de colocar os versículos seguintes no contexto adequado. Em alguns casos você poderá até ter que voltar e ler um capítulo anterior, para se assegurar.

Antes de continuar, gostaria fazer uma pergunta: “Se toda a Escritura é inspirada por DEUS, então por que os Evangelhos de Pedro, Paulo e Tomé não estão incluídos na Bíblia? Que resposta a Sola Scriptura dá a esta indagação?”

As falsas suposições do Sola Scriptura:

– Que o Novo Testamento fala sobre todos os tópicos importantes.

– Que o Novo Testamento dá uma ênfase completa sobre cada tópico (mas por que tanta ênfase em genealogia e virgindade, por exemplo?)

– Que a doutrina não desenvolve (mas a Trindade desenvolveu, por exemplo)

Agora, sobre IITm. 3.16 vemos:

– A passagem se refere ao Velho Testamento e não ao Novo Testamento.
– A passagem afirma que a Escritura é útil ou benéfica de algum modo. Isto é óbvio. Mas isto não significa que é a ÚNICA coisa que é útil ou benéfica.

Paulo não faz alusão alguma ao Magistério ou à Tradição da Igreja, pois o verso anterior diz:
“E que desde a infância sabes as sagradas letras que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus.” 2 Timóteo 3:15

Como nos explica Bob Stanley: Algumas outras palavras, com sentido semelhante ao da palavra “Tradição”, são usadas por toda a Bíblia. Alguns exemplos são: Mt 28,20: “ENSINAI-AS A OBSERVAR TUDO O QUE VOS PRESCREVI.” Jo 15,20: “LEMBRAI-VOS da Palavra que vos disse.” Jo 15,27: “Também vós DAREIS TESTEMUNHO, porque estais comigo desde o princípio.” 1Cr 11,2: “Eu vos felicito, porque em tudo vos lembrais de mim, e guardais as minhas INSTRUÇÕES (o texto grego diz: “guardais as TRADIÇÕES”), tais como eu vo-las transmiti. 1Cr 15,2: “Por ele sereis salvos, se o CONSERVARDES como vo-lo preguei. De outra forma, em vão teríeis abraçado a fé”. Is 59,21: “…minhas palavras que coloquei em tua boca não deixarão teus lábios nem os de teus filhos, nem os de seus descendentes, diz o Senhor, desde agora e para sempre”. Isaías disse tudo… Veja também: 2Tm 1,13, 2Tm 2,2, 2Tm 3,14, 1Pd 1,25, 1Jo 2,24, 2Jo 1,12

Aqui está um versículo interessante. Leia At 20,35: “Em tudo vos tenho mostrado que assim, trabalhando, convém acudir os fracos e LEMBRAR-SE das palavras do Senhor Jesus, porquanto Ele mesmo disse: “É MAIOR FELICIDADE DAR DO QUE RECEBER”.” A palavra “LEMBRAR” não significa “MANTER A TRADIÇÃO”? E se isso não bastasse, tente encontrar onde é que o Senhor disse “É MAIOR FELICIDADE DAR DO QUE RECEBER” nos Evangelhos. Você não vai conseguir porque não está lá. Paulo transmitiu essa frase às pessoas nada mais nada menos do que por meio da “TRADIÇÃO”.

“Tradição” Apostólica: Sl 44,1; 45,17; 77,5.10-11; 105,5; 143,5, Pr 2,17; 6,20, *Is 40,8, *Is 59,21, Mt 28,20, *Mc 13,31, Lc 2,19,51, Jo 14,25-26; 15,20,27, Jo 21,24-25, At 2,42, *At 20,35, Rm 12,6, 1Cr *2,13, 11,2; 1Cor 15,2, 2Cor 3,2-3, *2Ts 2,14-15, *2Ts 3,6, 2Tm 1,13; 2,2.15, 2Tm 3,14, Hb 2,1, *1Pd 1,25, *2Pd 1,20, 1Jo 1,1, 1Jo 2,24, *2Jo 1,12, *3Jo 1,13-14, Jd 1,3, Ap 12,17, Ap 19,10. (http://www.thecatholictreasurechest.com/pscrip.htm)

Esta transmissão viva, realizada no Espírito Santo, é chamada Tradição, já que é distinta das Sagradas Escrituras, mas é intimamente conectada à ela. Pela Tradição, a Igreja, em sua doutrina, vida e adoração, perpetua e transmite a todas as gerações tudo aquilo que ela é, tudo aquilo em que ela acredita.

Há vários pontos que os protestantes tipicamente rejeitam:

– Que a Tradição (com um T “maiúsculo”) é o modo no qual a fé é transmitida a todas as gerações.
– Que o Espírito Santo guia e dirige a Tradição da Igreja.- Que a Tradição provê a verdadeira doutrina da fé cristã.

– A Bíblia é extremamente ligada com a Tradição, mas não pode ser usada corretamente fora do contexto da Tradição.

Desde que a Igreja Católica ainda não existia quando Paulo escreveu estas palavras, ele não poderia estar se referindo aos ensinos do Catolicismo.

Não poderia ter existido segundo a péssima noção de História que Rick Jones e seus comparsas têm. Basta lembrarmos-nos de Mt.16.18, onde Jesus funda a Igreja. Depois disso, é História.

A Igreja existiu e funcionou antes que escrevessem qualquer coisa. Antes que uma linha do NT fosse escrito (1) Cristo estabeleceu Sua Igreja; (2) os apóstolos pregaram o Evangelho de Cristo; (3) São Pedro converteu 3,000 judeus; (4) O Concílio de Jerusalém foi feito; (5) A lei cerimonial judaica foi abrogada.

Antes que o último livro do NT fosse escrito (1) a Igreja católica celebrou seu jubileu; (2) 11 dos apóstolos tinham morrido.

Conseqüentemente, A BÍBLIA VEIO DA IGREJA. A IGREJA NÃO VEIO DA BÍBLIA. O cristianismo existiu mais de 300 anos sem uma única Bíblia cristã.

Deus repartiu sua autoridade? Como estes e centenas de outros versos deixam claro, Deus jamais deu a alguém autoridade para acrescentar ou mudar Sua Palavra. Ela é perfeita e completa, exatamente como ele a escreveu.

E ninguém deve acrescentar mesmo. Os protestantes é que acrescentaram doutrinas estapafúrdias que não é seguido pelo cristianismo histórico nem bíblico. Deviam agradecer à Igreja católica por ter discernido o cânon bíblico numa época em que era difícil fazer isso (séc. IV), numa época onde nem se sonhava com um protestante. Como os reformadores perderam toda a autoridade, a quem ou ao quê iriam recorrer para ocupar este espaço vazio? Voltaram-se para o único recurso que possuíam, a Bíblia Sagrada que, aliás, é um produto da Igreja Católica.

Ao fazer isso, declararam que a Bíblia era a única fonte de autoridade e prosseguiram para fabricar uma falsa tradição feita pelo homem chamada “Sola Scriptura” ou “Somente Bíblia”, a fim de promulgá-la.

Agora, por toda a Escritura, ainda há um segundo pé do Depósito Católico da Fé, do qual os reformadores não podiam tomar posse. É a Tradição Sagrada, Tradição Apostólica, Tradições de DEUS que a Igreja foi ordenada a manter e que ela já tem protegido e preservado por qualse 1500 anos no tempo da reforma. Leia Salmo 44,1, Isa 40,8, ***Isa 59,21, ***João 15,20, Atos 20,35, 1 Cor 2,13, ***1Cor 11,2,
Fl. 2,16, ***Phil 4,9, ***2 Tess 2,15. ***2Tim 1,13-14, ***2Tim 2,2, ***2Tim 3,14,
***2Tim 4,3, and 1Pd. 1,25.
(http://www.thecatholictreasurechest.com/plegacy.htm)

Uma das primeiras questões que você deve responder para você mesmo é: Deus violaria todas estas Escrituras só para dar ao Papa e à Igreja Católica o direito de mudar Sua Palavra, embora Ele tenha dito que jamais o faria?

Isto é um embuste! A Igreja católica não mudou palavras da Bíblia. Somente alguém desonesto para dizer isso! Foram católicos os que a escreveram (o problema para alguns evangélicos é pensar no nome “Igreja católica” e “católicos” como se fosse uma placa como “igreja batista”, “igreja metodista”, “igreja presbiteriana” e “batista”, “metodista”, etc. Não. O nome “Igreja católica” não é uma simples placa inventada por um homem – ex. John Knox e o presbiterianismo – mas a denominação de que ela seria “universal” Sl. 79.8).

Esta é outra mentira perpetrada pelos anticatólicos, de que a Igreja pode mudar a Bíblia (e interpretá-la como bem quiser. Eu mesmo pensava assim). O fato é que a Igreja é detentora da Bíblia, pois foi ela que deu origem ao Novo Testamento (que em ligação com o AT forma a “Bíblia”) e não a “Bíblia” que deu origem à Igreja.

Embora os protestantes afirmem não ter um magistério pedagógico, eles na verdade o têm. Cada denominação tem seus próprios teólogos e estudiosos cujos ensinos são considerados autorizados e que são obrigatórios aos membros de cada denominação.

Os Fariseus

Enquanto Jesus estava na terra ele publicamente hostilizava os Fariseus, líderes religiosos do seu tempo: “E em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens. Negligenciando o mandamento de Deus, guardais a tradição dos homens…” Marcos 7:7-8
Jesus estava aborrecido porque os Fariseus tinham colocado suas tradições acima da Palavra de Deus, porque Ele sabe que a Palavra de Deus conduz o povo à vida eterna, enquanto as tradições dos homens levam o povo à eterna destruição.

Isto fala sobre doutrinas de homens, dos fariseus, que não tem nada a ver com a Tradição que Paulo (e o cristianismo) ensina. É uma distorção deliberada feita por Rick Jones para enganar seus leitores de que tradição é uma palavra ruim.

Há passagens no Novo Testamento que indicam que as instruções e ensinos orais são válidos. Isto contradiz o Sola Scriptura, que ensina que só as Escrituras são autorizadas. Certamente, os escritores do Novo Testamento não acreditaram nisso. “Ainda tinha muitas coisas que vos escrever; não quis fazê-lo com papel e tinta, pois espero ir ter convosco, e conversaremos de viva voz, para que a nossa alegria seja completa.” (IJo.  1.12)

“Porque transgredis vós também o mandamento de Deus, por causa de vossa tradição?” Mateus 15:3

E São Paulo também escreveu: “Olhai para que ninguém vos engane pela falácia de uma vã filosofia, baseada em tradições humanas, segundo os elementos do mundo e não segundo Cristo” (Cl. 2,8). Porém, estes versículos condenam as errôneas tradições humanas, não as verdades que foram entregues oralmente pelos Apóstolos à Igreja. Estas verdades são as que fazem parte da Tradição (com “T” maiúsculo, para diferenciá-la das tradições meramente humanas).

Isto é um disparate com relação a “vos elogio porque vos recordais de mim a todo momento e mantendes as tradições tais como vos entreguei” (1Cor. 11,2) e “assim, pois, irmãos, permanecei firmes e guardai as tradições que vos foram ensinadas, seja por palavra, seja por epístola nossa” (IITs. 2.15)

Jesus sempre colocou as Escrituras acima das tradições: “Respondeulhes Jesus; Errais, não conhecendo as Escrituras nem o poder de Deus.” Mateus 22:29

Nada fala aí da comparação das Escrituras (tradição escrita) com a Tradição (oral). Isso só mostra a tremenda inépcia de Rick Jones em tratar de exegese, torcendo o texto para se adequar à sua teologia. O texto somente trata do mau entendimento que os saduceus tinham da ressurreição. Não era ensinado que os homens se casariam lá. As Escrituras, aqui, significam os livros do Velho Testamento. Não se pode torcer as Escrituras, Sr. Jones.
Jesus não condenou toda tradição; condenou as tradições errôneas – sejam doutrinas ou práticas – que minam as verdades cristãs. As demais Tradições, como nos pede o Apóstolo, devem ser conservadas firmemente. São Paulo manda os Tessalonicenses aderirem totalmente às tradições que ele lhes passara por palavra [oral] ou por carta [escrito].

A Palavra imutável de Deus tem sido sempre a autoridade final, nunca as tradições dos homens. “Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo.” Colossenses 2:8

Claro, citei esta passagem mais acima com o entendimento correto e não fora do contexto, como é praxe dos fundamentalistas. Em nenhum lugar a Bíblia diz que ela é a única regra de fé e prática. Aliás, sem a Tradição, nem seria possível se reconhecer os livros que formariam o NT que temos.

Claro, o problema é que a qual interpretação do sola scriptura seguir: a de Rick Jones (ignoro sua afiliação) ou de Lutero, Calvino, Knox, Smith, Ellen White, etc? Quem está certo? Quem pode decidir, se todos dizem se basear “nas mesmas Escrituras”? Daí vemos que, bíblica e logicamente, o SS morre em si mesmo.

Os Cristãos do Novo Testamento sabiam qual era a autoridade final:
“Ora, estes de Beréia eram mais nobres que os de Tessalônica; pois receberam a palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as cousas eram, de fato, assim.” Atos 17:11

Tirar versículos do contexto e torcê-los como se torce roupa parece passatempo de Rick Jones. Não podemos tirar de um versículo um sentido que ele realmente não tenha, ou do que o autor quis expressar a seus leitores (este é um mal dos fundamentalistas evangélicos, tirar o sentido de um versículo e aplicá-lo a seu gosto e ao tempo atual).

A que Escrituras Lucas se refere aqui? Ao NT? Ele ainda não havia sido totalmente composto. Os escritores do NT escreviam para seus leitores tendo em mente que eles entenderiam o que eles escreviam. Aqui, no caso, refere-se ao fato dos bereanos procurarem nos textos do Antigo Testamento para ver se a pregação do apóstolo era correta sobre o ensino do Messias, Sua encarnação, obediência, sofrimentos, morte e ressurreição dentre os mortos (v. Jo.5.39).

Se você ler 2Tm 3.14-17 em seu contexto, Paulo diz a Timóteo para guardar primeiro as tradições, e então usar as Escrituras para seu proveito, no final. Ele está dizendo: “Tradição” e “Escritura” caminham de mãos dadas. Dessa forma, a Sola Scriptura não é Bíblica.

Para determinar se o que eles tinham ouvido era verdade aquelas pessoas foram à autoridade final, as Escrituras escritas. Jesus fala de Sua Palavra:
“…Se alguém me ama, guardará a minha palavra; e meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada. Quem não me ama não guarda as minhas palavras…” João 14:23-24

Nada aí tem a ver com o assunto e não contradiz nada do que disse.

Considere estas palavras do apóstolo Paulo: “Outra razão ainda temos nós para incessantemente dar graças a Deus; é que tendo vós recebido a palavra que de nós ouvistes, que é de Deus, acolhestes não como palavra de homens, e, sim, como em verdade é, a palavra de Deus…” 1 Tessalonicenses 2:13

Onde diz aí que a Palavra de Deus é só a escrita? Se compararmos esta passagem com outra, escrita à mesma igreja, Paulo parece relacionar tradição e Palavra de Deus como sendo sinônimos:

“…que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes” (IITs. 3.6). É Paulo que faz a distinção de modos aos quais a revelação de Deus pode ser entregue a Seu povo. Paulo também chamou o processo de entregar a Palavra de Deus de “Tradição”. Ele designa dois modos nas quais as “tradições” são transmitidas: pela palavra, oralmente, e por carta, escrita.

Quando Paulo pregava a Palavra de Deus para aquele povo, não era a doutrina Católica, porque o Catolicismo ainda não existia.

Ridículo ao máximo. O que Rick Jones entende de doutrina católica? Deve ser o espantalho que ele faz porque o que ele fala ou supõe não deve ser a doutrina católica. Possivelmente ele deve estar pensando em “mariolatria, adoração a imagens e santos”, etc. e isto, é claro, não é o que a Igreja  ensina (P.S.: raramente vejo um evangélico citar os escritos da Igreja, como o catecismo, para dialogar. Normalmente são rápidos em alegar que viram “católicos adorando imagens”, “que católicos adoram Maria”, etc. mas são péssimos em estudar se é assim mesmo ou se é o que a Igreja ensina).

Qualquer estudo sério vai demonstrar que a Igreja é basicamente a mesma dos tempos apostólicos. Lógico, houve um desenvolvimento doutrinário, pois nem tudo está absolutamente, como pensaríamos hoje, tão claro, como o ensino da Trindade (nem esta palavra está na Bíblia, mas nem por isso ela não o ensina. E sabemos que este ensino foi um desenvolvimento lógico da doutrina, pois a Bíblia dá os “itens” da receita, mas o procedimento está na Igreja).

São Paulo diz, “Como eles ouvirão sem um pregador? Como eles pregarão a menos que lhes enviassem? A fé vem pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Cristo.” Quando os apóstolos falam, eles afirmam falar com Divina autoridade e não dizem que estão fazendo um manual cristão em parte alguma. Seu ensino era a princípio ORAL, e não era intenção deles criar uma literatura permanente. Eles escreveram aos crentes, não para os incrédulos. A Igreja existiu e funcionou antes que escrevessem qualquer coisa. Antes que uma linha do NT fosse escrito (1) Cristo estabeleceu Sua Igreja; (2) os apóstolos pregaram o Evangelho de Cristo; (3) São Pedro converteu 3.000 judeus; (4) O Concílio de Jerusalém foi feito; (5) A lei cerimonial judaica foi abrogada.

Conclusão

Deus não muda (Malaquias 3:6), porque Ele é perfeito. Seu Filho Jesus não muda (Hebreus 13:8), porque Ele é perfeito. Por que, então, iria a perfeita Palavra de Deus mudar?

As doutrinas da Bíblia são ensinadas às pessoas pela Igreja católica mais fielmente que por qualquer outra Igreja na terra. A Bíblia nos fala que Cristo é Deus e isto, os ministros protestantes em crescente número negam. A Bíblia nos fala que Cristo estabeleceu uma Igreja viva, visível e os protestantes negam. A Bíblia nos fala que o pão e vinho consagrado é o verdadeiro Corpo e Sangue de nosso Senhor e isto os protestantes negam. A Bíblia nos fala que os ministros de Cristo têm o poder para perdoar pecados e isto os protestantes recusam acreditar. A Bíblia condena o divórcio até mesmo no caso de adultério e isto os protestantes através de prática consideram como tolice. Os católicos sabem a doutrina mais que um homem tagarela cita a Bíblia. Conhecimento de texto não é conhecimento de doutrina. Alguns católicos não lêem muito a Bíblia, mas eles sabem as doutrinas ensinadas da Bíblia mais que qualquer outra pessoa cristã na terra. Um católico pode deslizar quando você cita algum texto particular, mas ele sabe o que deve ser feito para salvar a alma de alguém e ele sabe tudo aquilo que Cristo condena; isto é, o divórcio, a contracepção, o aborto, esterilização, proibição, as injustiças sociais, etc.

Quando você ler o conteúdo deste livro, será forçado a decidir no que você acredita como autoridade final: na Palavra escrita de Deus ou nos ensinos e tradições da Igreja Católica?

Quando você ler o conteúdo deste livro chegará a conclusão que Rick Jones usa de tão péssima exegese e citação de versículos fora do contexto que, se for honesto, vai perceber que o Sola Scriptura fornece problemas insuperáveis a seus proponentes.

Quem for honesto, não fará as distinções estapafúrdias feitas por Jones. Ele fala que Cristo é contra toda tradição, sendo que Paulo ensina, seguindo Cristo, que há duas tradições. Rick, sutilmente, tenta incutir no leitor a separação da Bíblia com a doutrina católica o que, como veremos, é indissociável.

Sua decisão se tornará crítica, quando você descobrir que os ensinos do Catolicismo são diametralmente opostos a todas as doutrinas que você examinará.

É o que veremos. Let’s go, Rick.

Você vai ficar do lado da Palavra de Deus ou das tradições dos homens?

“Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão.” Mateus 24:35
Nota: Uma vez que as Escrituras escritas estabelecem plenamente que elas são a única Palavra de Deus, o que for escrito neste livro como Palavra de Deus estará sempre se referindo à Palavra escrita de Deus somente, e não às Tradições e ao Magistério da Igreja Católica.

My God. Onde se diz na Bíblia que a Palavra de Deus é só a escrita? Vê-se aí uma desonestidade flagrante de Rick.

Facebook Comments

Livros recomendados

Filhos e Pais – Sabedoria e orientação para os paisIdéias e CrençasA senhoria