A Igreja Siríaca Malankar Católica é elevada a igreja arquiepiscopal maior

O Serviço de informações do Vaticano (VIS) informou que a 10/02/2005 o Papa elevou a Igreja Malankar à categoria de igreja arquiepiscopal maior. O primeiro Arcebispo Maior será Cirilo Mar Basílio Malancharuvil, que já era o chefe da Igreja. Receberá o título de Arcebispo Maior de Trivandrum dos Siríacos Malankares. Trivandrum é a cidade-sede da Igreja.

A Igreja Malankar tem 450.000 fiéis, cinco eparquias (dioceses), 632 padres, sendo 511 eparquiais (diocesanos) e 121 religiosos, 643 seminaristas, cinco seminários, 2.030 mulheres religiosas em 17 comunidades Também tem 22 instituições eclesiásticas, 449 escolas e universidades, e 466 instituições de caridade. Essas foram as informações do VIS. Colocamos abaixo um pouca da história dessa igreja.

Parabéns aos nossos irmãos católicos!

Igreja Siríaca Malankar Católica

Para falar dela precisamos antes mencionar a história da Igreja Siríaca Malankar Ortodoxa e suas dissidências.

Em 1653 no Juramento de Cruz de Coonan os cristãos de São Tomé (ou seja, da Índia) decidiram não aceitar mais o domínio dos europeus. Uma parte voltou do cisma e se juntou novamente à Igreja Católica eventualmente formando a Igreja Malabar. Mas outra parte permaneceu fora do catolicismo. Esses procuraram reestabelecer sua hierarquia, ou seja, ter seus próprios bispos. Para isso ainda no século XVII procuraram contato com a Igreja Siríaca Ortodoxa, que enviou de Jerusalém um bispo para sagrar o primeiro bispo dessa Igreja na Índia. Assim foi formada a Igreja Siríaca Malankar Ortodoxa, vinculada ao Patriarcado Siríaco Ortodoxo de Antioquia.

Esta Igreja foi abalada por sucessivos cismas. Um grupo retornou ao catolicismo e dele falaremos mais adiante. O líder da Igreja Siríaca Malankar Ortodoxa é o Catholicos do Oriente e Metropolita de Malankar. Está presente na Índia e tem também dioceses nos Estados Unidos e no Canadá/Reino Unido. Tem cerca de um milhão de fiéis.

Um desentendimento entre um Bispo da Igreja Siríaca Ortodoxa e o então Metropolita da Igreja Malankar em 1772 deu origem à Igreja Siríaca Malabar Independente (Thozhiyoor). O Bispo Siríaco sagrou um outro Metropolita, que passou a residir na cidade de Thozhiyoor, formando a Igreja Malabar Independente. Tem cerca de 21.000 fiéis e apenas um bispo. Seu chefe é o Metropolita.

Em 1795 os ingleses tomaram a Costa do Malabar. Junto com seu domínio veio sua religião. Missionários anglicanos em 1816 entraram na região e influenciaram muitos membros da Igreja Malankar Ortodoxa, que ficaram com uma tendência cada vez mais protestante. Líderes da nova tendência removeram imagens de santos das igrejas, gerando conflitos internos. Os dois grupos conviveram, ou melhor, se conflitaram no decorrer do século XIX, até que no final dele a nova tendência fundou a Igreja de Mar Tomé, que se propõe a juntar as tradições do protestantismo e da igreja siríaca. Seu líder é o Metropolita. Tem cerca de 900.000 membros. O fato de ser pequena não a impediu de ter uma divisão interna, a seguir:

A partir da década de trinta houve discussões se a Igreja de Mar Tomé não estava se afastando dos ideais protestantes. Um grupo achou que a Igreja estava se tornando por demais anti-reforma. O debate se estendeu por décadas, até que o grupo formou a Igreja Evangélica de São Tomé, quase protestante, já bem afastada das origens históricas e teológicas do monofisismo. Por esse motivo não a incluiremos na lista de igrejas no quadro sintético ao fim deste capítulo. Seu líder é o Bispo Presidente. Tem dois bispos e 25.000 fiéis.

Em 1909 a Igreja Siríaca Malankar Ortodoxa se dividiu em dois grupos, um com apoio no Patriarca Siríaco de Antioquia, o outro liderado pelo Catholicós da Igreja Malankar. Depois de negociações tal cisma foi encerrado em 1958. Mas as duas facções continuaram a existir e em 1975 o Patriarca Siríaco de Antioquia instalou um outro Catholicós, e a divisão ficou completa. A parte da Igreja Malankar que ficou com o Patriarca assumiu o nome de Igreja Jacobita Siríaca Cristã. Seu líder é o Catholicós, e tem cerca de 800.000 membros.

Em 1926 um sínodo dos bispos da Igreja Malankar Ortodoxa autorizou um deles a entrar em negociações com Roma para uma possível reunião com a Igreja Católica. Era o arcebispo Mar Ivânios. Ele deveria negociar com a condição de que as tradições da Igreja Malankar deveriam ser mantidas.

O Papa Pio XI aceitou. Mas na hora de fazer a profissão de fé e ser recebidos no catolicismo só estavam presentes cinco pessoas, entre os quais dois bispos. Um deles era Mar Ivânios. Era setembro de 1930. Surgia a Igreja Siríaca Malankar Católica.

Dois anos depois o Arcebispo recebeu o pálio das mãos do Papa, no mesmo ano em que foram criadas uma arquidiocese e uma diocese da nova igreja católica.

Hoje esta Igreja tem cerca de quinhentos mil fiéis. Seu líder é o Arcebispo Metropolitano de Trivandum.

Facebook Comments

Livros recomendados

Politização da Bíblia – As raízes do Método Histórico-Crítico e a secularização da Escritura (1300-1700)Comentário à Metafísica de Aristóteles IX–XII — Volume 3O Inferno e Seus Tormentos