Nestes últimos anos temos presenciado um grande crescimento das seitas em toda a América Latina. Seria isto um crescimento normal das religiões? Cremos que não.

Cremos que, em grande parte, isso obedece a um plano friamente elaborado para destruir ou enfraquecer a Igreja Católica e sua influência em cada região. Algumas destas seitas são financiadas pelos grandes grupos econômicos dos Estados Unidos, verdadeiras multinacionais proselitistas que investem milhões em propaganda, vendendo ou distribuindo revistas, livros e folhetos. Passam de casa em casa, convidam pessoas com pouco conhecimento da Bíblia e, sob o pretexto de orar com eles, furtam-lhes seu maior tesouro: a fé católica.

Por isso, não podemos permanecer passivos perante essa realidade e vamos aqui oferecer uma visão geral sobre as principais seitas ou religiões que atuam ao nosso redor, não com a finalidade de polemizar, mas com o único objetivo de oferecer uma orientação para aqueles que precisam. Com efeito, todo mundo tem o direito de saber quem é quem.

Afirmemos, primeito, que Jesus quer uma só Igreja. Isto é exatamente o que Ele pediu ao Pai em sua oração sacerdotal: “Pai: Que todos sejam um como Tu estás em Mim e Eu em Ti” (João 17,21). E se Cristo quis a unidade de todos os seus seguidores, que podemos pensar daqueles que semeam a divisão? Que podemos pensar daqueles que, ao longo dos séculos, quiseram corrigir a vontade do Senhor, criando novas religiões? Não será que, com esta atitude, deturpam o plano de Deus ao invés de construir a unidade, colaborando com a divisão? Conheçamos algumas destas denominações…

Os Testemunhas de Jeová

Surgiram nos Estados Unidos, há pouco mais de 100 anos. Seu fundador foi Charles Taze Russell, filho de presbiterianos. Negam a Santíssima Trindade e afirmam que Cristo, antes de se tornar homem, era o arcanjo São Miguel.

Modificam os textos bíblicos a seu bel-prazer. Dizem que Jesus não morreu numa cruz, mas numa estaca de tortura, e que ressuscitou apenas como criatura espiritual. Para eles, todas as religiões – fora a sua – são satânicas; sustentam que Deus castigará a todos os que não quiserem aderir à sua seita. Proíbem a transfusão de sangue e consideram que a Igreja Católica é corrupta, sendo a Babilônia moderna.

O que chama à atenção é que, apesar deste acúmulo de erros, muitos católicos se deixam fascinar pelo seu “suposto” amor à Bíblia e passam a segui-los. Isto apenas se explica pela grande ignorância religiosa em que muitas pessoas vivem. E o pior é que os católicos que mudam, depois passam a atacar a Igreja Católica, renegando-a, e às vezes passando a dizer coisas como: “Eu, quando era católico, traía a minha esposa… Depois que virei testemunha de Jeová, levo uma vida ordenada”.

Na verdade, tais pessoas nunca conheceram, nem viveram a fundo a sua fé católica. Nós afirmamos que não é necessário mudar de religião para poder abandonar um vício ou não mais trair sua esposa. Basta levar à sério a sua fé católica e pronto. Dizemos que Jesus fundou um só Igreja sobre o apóstolo Pedro e não autorizou a ninguém fundar outras igrejas. Jesus disse a Pedro: “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”.

 

Os Mórmons

Seu fundador é Joseph Smith, natural de Vermont (EUA). Aos 15 anos, recebeu algumas revelações que lhe anunciavam que todas as igrejas cristãs estavam corrompidas e que ele deveria organizar a verdadeira Igreja de Cristo. Seu anúncio está registrado em um livro que, segundo ele, em 1823 lhe foi entregue pelo anjo Moroni. Tratar-se-ia de um livro escrito [originalmente] em placas de ouro, relacionado com os antigos habitantes do continente americano, que teriam chegado aos Estados Unidos após a destruição da torre de Babel. Este livro conteria a plenitude do Evangelho comunicado a eles pelo próprio Cristo, que também teria viajado para os Estados Unidos após a sua ressurreição. Em 1830, a igreja recebeu o nome de “Igreja dos Santos dos Últimos Dias”.

Para eles, Cristo foi gerado carnalmente de Deus Pai. A Bíblia e o livro de Mórmon são sua única norma de fé, porém, aceitam apenas “sua” Bíblia porque as demais – segundo eles – estariam mal traduzidas. Ademais, a Bíblia tem que ser complementada com o livro de Mórmon. Possuem apenas dois sacramentos: o batismo por imersão e a santa ceia celebrada com pão e água. Batizam os mortos e em seu trabalho missionário andam sempre de dois em dois.

O homem latino-americano – que é educado e acolhedor – facilmente os convida para entrar em sua casa; porém, depois, não os consegue tirar de dentro. Insistem, de uma e outra forma, que tal pessoa deixe sua fé católica e passe a ser mórmon. E não poucas vezes tentam convencer as pessoas oferecendo-lhes presentes, dinheiro e promessas (e, não poucas vezes, conseguem “convencer” por esses métodos).

Por que os mórmons têm aumentado nos últimos anos? Há uma razão política que é interessante que todos saibam:

Há uns 30 anos, Rockfeller, após percorrer quase todos os países da América Latina, informou ao Congresso dos Estados Unidos que deveriam contra-atacar as obras da Igreja Católica que, despertando os povos para a consciência de sua dignidade, estaria se constituindo como a principal força opositora aos interesses dos Estados Unidos na América Latina; deveria, pois, ser anulada ou dividida ao máximo. Então o Congressou programou um sucessivo e crescente envio de missionários mórmons para enfraquecer a unidade da Igreja Católica e destinou milhões de dólares para que se construíssem templos mórmons em toda a América Latina. Também em sua visitas domiciliares é comum os mórmons oferecerem dólares e viagens para os Estados Unidos, em troca da mudança para a sua religião; assim, ante a tentação do lucro ou mesmo porque passam necessidades, muitas pessoas sucumbem e viram mórmons.

Os mórmons são uma religião sem base teológica séria e sua “história” parece mais um conto de ficção científica, visto não possuírem qualquer prova científica para basear a sua fundação.

Contudo, é possível encontrar algumas coisas positivas: são bons organizadores e possuem muitos colégios, cooperativas e granjas. É uma pena que a sua base religiosa seja tão pobre e que deturpem tanto a Bíblia.

Tanto os católicos como a maioria das igrejas cristãs protestantes os rejeitam, classificando-os como não-cristãos, pois negam a divindade de Jesus. Portanto, não poderiam ser “seita”, mas seriam uma “outra religião”, sem referência a Jesus, visto não crerem em sua divindade. Muitos católicos chamam os mórmons de “religião do dólar”, porque oferecem dólares para ganhar adeptos.

 

Os Pentecostais

São os que mais tem crescido nestes últimos anos em toda a América Latina. Mais de 63% de todos os protestantes da América Latina são pentecostais. Há muitas razões para que o povo sinta-se confortável no meio deles: a alegria, os cantos, a cura e a fraternidade.

Se caracterizam pelo seu fechamento, seu fanático proselitismo e seus ataques contra a Igreja Católica.

Os movimentos pentecostais hoje são numerosos e reúnem mais de 30 milhões de fiéis na América Latina. A princípio, rejeitaram toda organização; porém, logo a necessidade os obrigou a agruparem-se. Daí nasceram as Assembléias de Deus, que também estão espalhadas por toda a América Latina.

O nome “pentecostal” já indica a grande importância que estes grupos dão ao acontecimento sempre atual do Pentecostes, o que se realiza no batismo chamado do Espírito Santo.

O movimento pentecostal nasce como resposta a um anseio de renovação espiritual que estava latente, tanto na mente dos pastores como na dos fiéis de algumas igrejas tradicionais. A Igreja precisa renovar-se novamente com o fogo de Pentecostes. Fiéis e pastores, assim, invocam repetidamente ao Espírito Santo, pedem a Cristo que envie novamente o Espírito e começam a se sentir renovados, cheios de entusiasmo e calor, falam em línguas e efetuam curas.

Os pentecostais têm em comum com nós, católicos, o fato de crerem no mistério da Santíssima Trindade e, também, na divindade de Cristo, nosso único Salvador. Porém, não aceitam a Tradição; em outras palavras: para eles apenas a Bíblia é a única fonte de revelação deixada por Deus ao mundo. Seu batismo é conferido por imersão e o banho de seu corpo em água pura é um símbolo externo de purificação.

 

O Exército da Salvação

Esta seita possui uma série de elementos que a assemelham a um exército comum: uniforme militar, graus militares, forte disciplina; são realmente um exército de paz em favor dos marginalizados. Mantêm muitas obras sociais. Seu lema é “sangue e fogo”: sangue de Cristo e fogo do Espírito. Foi fundado em 1865, na Inglaterra, por Guillerm Booth. Possuem muitas obras sociais: maternidades, asilos, dispensários, centros para drogados, centros de reabilitação de alcoólicos etc. Porém, não atacam a raiz da pobreza, nem as causas que a originam.

Seu objetivo é expandir o protestantismo e se inspiram na doutrina protestante. Pregam a justificação apenas pela fé, a submissão à Palavra do Senhor e sua conversão pessoal se demonstra com o testemunho missionário. Reúnem-se nas ruas, com suas bandas “militares” e, assim, atraem as pessoas para oferecer-lhes seus serviços religiosos de pregação da Palavra e cantos.

 

Outras seitas ou denominações

Há em nosso país outras denominações cristãs que não são examinadas neste artigo. Impossível seria abordar todas elas em um artigo como este.

Em todas as religiões há elementos positivos e negativos, há graça e santidade, porém, deve ficar bem claro que a plenitude da graça e os meios de santificação deixados por Cristo à sua Igreja encontram-se exclusivamente na Igreja Católica fundada por Jesus.

Afirma o Concílio [Vaticano II] que comete grave erro quem, conscientemente, a deixar, ou seja, que venha a mudar de religião. O Concílio reafirma que a Igreja fundada por Jesus é reconhecida apenas na Igreja Católica. Todas as seitas, sem exceção, rejeitam a submissão ao papa. Apenas a Igreja Católica aceita a sua autoridade e este é o seu sinal característico.

É também muito revelador observar que todas as demais religiões cristãs são relativamente novas, isto é, fundadas nos últimos 500 anos. Pois bem: a verdadeira Igreja precisa se conectar com Cristo, que viveu há 2000 anos. Onde estavam todas essas religiões nos 1500 anos anteriores, quando existia apenas a Igreja Católica? (…) Onde estavam elas quando Jesus morreu e ressuscitou? Onde estavam quando a Igreja Católica sofria as terríveis perseguições dos primeiros séculos? Estariam condenados [ao inferno] todas aquelas pessoas que nasceram antes da fundação dessas igrejas?

Para nós resta bem claro que a Igreja Católica – e apenas a Igreja Católica – foi a única Igreja fundada por Cristo. A única que provém de Cristo, a única que manteve a sucessão apostólica ininterruptamente, a única que, por meio dos apóstolos, se interconecta com Cristo.

 

O Concílio Vaticano [II]

E o que diz o Concílio Vaticano sobre a necessidade da Igreja Católica para a salvação? Eis aqui um texto que deveríamos meditar com freqüência: “O Concílio Vaticano, baseado na Escritura e na Tradição, ensina que esta Igreja peregrina é necessária para a salvação (…) Não poderão salvar-se aqueles que, sabendo que a Igreja Católica foi instituída por Jesus Cristo como necessária, rejeitaram entrar nela ou não quiseram permanecer nela”.

O católico deve evitar polemizar e discutir com as outras religiões já que com isso nada ganha. As seitas apresentam uma infinidade de argumentos e não escutam a ninguém. Falam com arrogância e tentam levar a todo custo a água para o seu moinho. Falam e não escutam nada. O que o católico deve fazer quando o chamarem à porta de sua casa é atendê-los com educação, mas sempre com firmeza. Diga-lhes que não se interessa por suas propostas e ponto. E se não desistirem, feche delicadamente a porta de sua casa, continue com os seus afazeres e reze pelos propagandistas baratos da religião. Não adianta discutir com eles. Eles citam textos e mais textos e não escutam a ninguém. Lembre-se sempre que, se pedem para orar com você ou comentar-lhe a Bíblia, o único e real interesse que possuem é arrebatar-lhe da sua fé católica. Com um evangélico respeitoso e educado é possível orar e dialogar; porém, neste caso, é necessário conhecer bem a fé católica e a Bíblia, e pedir o auxílio de Deus. (…).

 

Questionário

A que se deve o crescimento das seitas nestes últimos anos? Que devem fazer os católicos? Precisamos recuperar o sentido missionário? Quem são os testemunhas de Jeová? Quem são os mórmons? Quem são os pentecostais? Que é o Exército da Salvação? Pode um católico mudar de religião? Que diz o Concílio Vaticano acerca dos que deixam a Igreja Católica, sabendo que ela é a única Igreja querida e fundada pelo próprio Jesus? Como um católico deve receber uma pessoa que chega em sua casa sob o pretexto de “orar juntos”, mas que, na verdade, quer apenas arrebatar-lhe de sua religião?

 

Fonte: Es.Catholic.Net /Livro “Para dar razón de nuestra Esperanza”
Tradução: Carlos Martins Nabeto

Fonte: Es.Catholic.Net /Livro “Para dar razón de nuestra Esperanza”. Tradução para o Veritatis Splendor por Carlos Martins Nabeto.

Facebook Comments

Livros recomendados

A importância de ser prudenteConfirmação (Coleção Sacramentos)Espiritismo e fé