As citações seguintes testemunham o que os primeiros cristãos pensavam sobre a existência de um Deus em Três Pessoas.

* * *

“E mais, meus irmãos: se o Senhor [Jesus] suportou sofrer por nós, embora fosse o Senhor do mundo inteiro, a quem Deus disse desde a criação do mundo: ‘façamos o homem à nossa imagem e semelhança’, como pode ele suportar sofrer pela mão dos homens?” (Autor desconhecido, ano 74, Carta de Barnabé 5,5).

“Por isso vos peço que estejais dispostos a fazer todas as coisas na concórdia de Deus, sob a presidência do bispo, que ocupa o lugar de Deus, dos presbíteros, que representam o colégio dos apóstolos, e dos diáconos, que são muito caros para mim, aos quais foi confiado o serviço de Jesus Cristo, que antes dos séculos estava junto do Pai e por fim se manifestou. […] Correi todos juntos como ao único templo de Deus, ao redor do único altar, em torno do único Jesus Cristo, que saiu do único Pai e que era único em si e para ele voltou. […] Existe um só Deus, que se manifestou por meio de Jesus Cristo seu Filho, que é o seu Verbo saído do silêncio, e que em todas as coisas se tornou agradável àquele que o tinha enviado” (Inácio de Antioquia, ano 110, Carta aos Magnésios 6,1; 7,2; 8,2).

“Amigos, foi do mesmo modo que a Palavra de Deus se expressou pela boca de Moisés ao indicar-nos que o Deus que se manifestou a nós falou a mesma coisa na criação do homem, dizendo estas palavras: ‘Façamos o homem à nossa imagem e semelhança’. […] Citar-vos-ei agora outras palavras do mesmo Moisés. Através delas, sem nenhuma discussão possível, temos de reconhecer que Deus conversou com alguém que era numericamente distinto e igualmente racional. […] Mas esse gerado, emitido realmente pelo Pai, estava com ele antes de todas as criaturas e com ele o Pai conversa, como nos manifestou a palavra por meio de Salomão. (Justino Mártir, ano 155, Diálogo com o Judeu Trifão 62,1-2.4).

“Por isso e por todas as outras coisas, eu te louvo, te bendigo, te glorifico, pelo eterno e celestial sacerdote Jesus Cristo, teu Filho amado, pelo qual seja dada glória a ti, com Ele e o Espírito, agora e pelos séculos futuros. Amém. (Policarpo de Esmirna, ano 155, Martírio de Policarpo 14,3).

“[O Pai] enviou o Verbo como graça, para que se manifestasse ao mundo. […] Desde o princípio, ele apareceu como novo e era antigo, e agora sempre se torna novo nos corações dos fiéis. Ele é desde sempre, e hoje é reconhecido como Filho” (Quadrato, ano 160, Carta a Diogneto 11,3-4).

“Portanto, não foram os anjos que nos plasmaram – os anjos não poderiam fazer uma imagem de Deus – nem outro qualquer que não fosse o Deus verdadeiro, nem uma Potência que estivesse afastada do Pai de todas as coisas. Nem Deus precisava deles para fazer o que em si mesmo já tinha decretado fazer, como se ele não tivesse suas próprias mãos! Desde sempre, de fato, ele tem junto de si o Verbo e a Sabedoria, o Filho e o Espírito. É por meio deles e neles que fez todas as coisas, soberanamente e com toda a liberdade, e é a eles que se dirige quando diz: ‘Façamos o homem à nossa imagem e semelhança'” (Ireneu de Lião, ano 189, Contra as Heresias IV,20,1).

“Anatematizamos todos aqueles que seguem o erro de Sabélio, os quais dizem que o Pai e o Filho são a mesma Pessoa” (Concílio de Roma, ano 382, Tomo do Papa Dâmaso, cânon 2).

Outras Fontes: Hermas: (ano 80) O Pastor 12. * Tertuliano: (ano 216) Contra Praxéas 2,3-4; 9,1. * Hipólito de Roma: (ano 228) Refutação de Todas as Heresias 9,7. * Novaciano: (ano 235) Tratado sobre a Trindade 26. * Papa Dionísio: (ano 262) Cartas ao Bispo Dionísio de Alexandria 1,1. * Gregório Taumaturgo: (ano 262) Confissão de Fé 8; 14. * Metódio: (ano 305) Prece ao Salmo 5. * Atanásio: (ano 359) Cartas a Serapião 1,28; (ano 360) Discurso contra os Arianos 3,4. * Fulgêncio de Ruspe: (ano 513) A Trindade 4,1.

Facebook Comments