Apresentam as esquerdas uma suposta salvação aos operários e camponeses: o socialismo. Enganam-se. Ou, até mesmo, enganam-nos.

 

Está na base da doutrina socialista querer ?abolir a propriedade privada? (Eric Voegelin, Estudos de Idéias Políticas, trad. Mendo Castro Henriques), pois não se coaduna com seu outro princípio vital, o igualitarismo. Usar, gozar e dispor livremente ? o que vem a ser o direito de propriedade ? é uma afronta à justiça na ótica dos que postulam o socialismo. Erram, no entanto, e gravemente.

 

Acabar com a propriedade não atingirá somente os ricos. Também o povo simples sofrerá. Faltando os empregadores, onde trabalhará o proletariado que o socialismo diz defender? A sociedade é natural e organicamente constituída de tal maneira que o ataque a um de seus pilares promove a destruição do edifício. Disso sabem os próceres comunistas e socialistas, os quais de ninguém escondem a ânsia revolucionária ? violenta em Lênin, sutil e disfarçada em Gramsci ? a pretexto de ajuda e libertação do pobre.

 

Pelejando contra o rico, porém, atinge-se, com efeito, o pobre que deveria ser protegido pelas esquerdas ? já que se arrogam em seus exclusivos paladinos. Aliás, mesmo que só o rico sofresse com a extinção da propriedade ? o que sabemos ser mentira ?, ainda assim seria a medida cumulada de injustiças.

 

O ódio socialista à propriedade é tanto, que nos seus planos de reforma agrária os assentados exercem mera posse sobre os imóveis rurais. Noutros termos, após a desapropriação ? paga com preço injusto, configurando-se em um confisco prático, outro desrespeito ao legítimo domínio ?, o Estado torna-se proprietário da gleba, da qual o trabalhador rural (em nome de quem foi feita a reforma) só tem a posse. O sem-terra continua sem a terra, pois ela é do Estado. Assim, a doutrina socialista não vê com bons olhos o indivíduo proprietário (rico ou pobre), mas aplaude o Estado que deseja sê-lo, em que pese não ser essa sua função e a despeito de sua incompetência para a gerência de coisas normalmente privadas.

 

Tirar a terra dos ricos para dar aos pobres, pura e simplesmente já é imoral, um atentado à justiça (e aos próprios pobres, indiretamente, pois isso afeta negativamente a produção agrícola, diminui o PIB, gera desemprego etc). Não contentes com isso, os socialistas vão mais longe: além de tirar dos ricos, não dão aos pobres.

 

Por pior que seja o patrão particular, não chegará perto, em crueldade, ao patrão estatal totalitário, um tirano que não hesitará em ?usar, gozar e dispor? não só de suas novas terras, como proprietário, porém dos próprios assentados, reféns da ditadura vermelha.

Facebook Comments

Livros recomendados

A importância de ser prudenteConfirmação (Coleção Sacramentos)Otimismo