Gostaria de saber detalhes a respeito deste assunto e se na Bíblia existe alguma coisa que fale sobre o tema como se explica e como se prova sua veracidade.
Agradeço a atenção.
Iulo Abreu Prazeres

Caríssimo Iulo, salve Maria.

Primeiramente gostaria de agradecer o envio de vossa dúvida: muito nos honra a confiança depositada em nosso trabalho endereçando-nos a sua questão. Questão essa de significado mais que profundo: trata-se do Sacramento mais pungente que é o próprio Santíssimo Sacramento ? a Eucaristia.

Como a sua pergunta remete a um estudo mais aprofundado do que seja esse Mistério de amor e glória se faz necessária uma introdução para melhor clarificar o tema; vamos a uma recolha de textos que irão nos auxiliar no correto entendimento do que seja a Sagrada Comunhão.

O sacramento da Eucaristia é um sacramento instituído por Jesus Cristo, no qual, sob as espécies consagradas do pão e do vinho, está contido, real, verdadeira e substancialmente o Corpo e o Sangue de Jesus com Sua Alma e Divindade, para produzir na alma do fiel a graça que a nutre espiritualmente.

Como sacrifício, a Eucaristia, por virtude própria, aplaca a cólera divina, adora e louva a Deus, e alcança para o mundo graças de salvação. Na Missa, com efeito, Jesus renova por Seus ministros, de modo incruento, o sacrifício sangrento do Calvário, e esta oblação eucarística, que tanto obriga a Deus e O empenha no amor dos homens, atinge realmente quatro fins que Jesus Cristo se propôs atingir, quando, ao morrer na Cruz, se ofereceu ao Eterno Pai em sacrifício pelos homens: adoração, ação de graças, expiação e impetração infinitas, devidas à majestade de Deus Uno e Trino.

Quem poderá ver o número de benefícios que este sacrifício continuamente oferecido no mundo inteiro atrai do coração divino para a pobre humanidade? Quem jamais inquiriu da origem desta fonte donde procede tão copiosa abundância de graças?

Como sacramento, a Eucaristia une o comungante a todos os membros do corpo místico de Jesus. É que ä Eucaristia é a um tempo o mais social e o mais intimamente pessoal de todos os sacramentos, porque é o sacramento do amor”. Era preciso, diz Sto Tomás, um sacrifício dessa natureza, para que a junção do membro à cabeça fosse perfeita. E como todos os cristãos comem juntamente do mesmo e único pão da vida, por isso mesmo, a união entre eles e Jesus é perfeita. Ora, fazer parte da Cristo Místico é fazer parte da Igreja do Céu, do Purgatório e da Terra, porque a união com Jesus resulta a união com todos aqueles que são Seus membros vivos. Ö fim primário deste Sacramento, diz o mesmo doutor, é a unidade do corpo místico, fora do qual não há salvação”.

Depois dessa breve, mas sublime introdução (extraída do Missal Romano Tradicional), podemos melhor penetrar nesse Mistério de Luz que é o SS Sacramento da Eucaristia.

Tentarei de modo resumido esclarecer os aspectos que a questão levanta. Neste espaço não caberia uma abordagem completa de assunto tão imenso, mas creio que o que será falado será suficiente para, pelo menos, contribuir um pouco para sanar a sua dúvida e municiá-lo para o início de uma pesquisa mais abrangente e profunda.

Há na Bíblia (sempre na primorosa tradução do Pe. Matos Soares) três passagens no Novo Testamento que versam sobre a instituição da Eucaristia: em S. Mateus (XXVI, 26-29), em S. Marcos (XIV, 22-26) e em S Lucas (XXII, 14-20). Nesses trechos do Evangelho, a “mais linda flor da pregação apostólica”, as palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo exprimem a narração de Seu testamento: aquilo que Jesus quer que se perpetue.

Em todas as três narrativas vemos que o próprio Jesus nos exorta a repetirmos isto “(que será o selo) do novo testamento, o qual será derramado por muitos para remissão dos pecados”; “fazei isto em memória de Mim”, diz o Senhor.

Se já não bastasse as passagens mencionadas há uma maravilhosa corroboração divina dada por S. Paulo, colocando verdade sobre verdade, à Eucaristia. Na Primeira Epístola Aos Coríntios XI, 23-29 (Modo de celebrar os ágapes) ? sempre na tradução do Pe. Matos Soares ? temos: “Porque aquele que bebe e come indignamente, come e bebe para si a condenação, não distinguindo o corpo do Senhor (doutro qualquer alimento)”. S. Paulo diz que devemos diferenciar o pão e o vinho comuns da Sagrada Eucaristia, isto é, sob as espécies de pão e vinho consagrados estão presentes os preciosos Corpo e o Sangue do Senhor.

Estas passagens são mais que suficientes para provar a Transubstanciação do pão e do vinho no Corpo do Senhor.

Se quiseres aprofundar mais no tema recomendo a leitura da Suma Contra Os Gentios de Sto Tomás de Aquino (Volume II), tradução de D. Odilão Moura OSB e D. Ludgero Jaspers OSB, revisão de Luis Alberto De Boni, Porto Alegre, EDIPUCRS/EST, 1996; especificamente a Segunda Parte: Encarnação e Sacramentos.

Só um último detalhe: há na “teologia protestante” uma afã de invenção e contrariedade com as coisas da Igreja. Os “pensadores” protestantes inventaram um neologismo (consubstanciação) e deturparam a teologia. Este conceito diz que a matéria de Cristo está “junta”, consubstanciada (substanciada com..) com a matéria do pão e do vinho. Ora, sabemos pela mais elementar ciência que “dois corpos não ocupam o mesmo lugar no espaço” e que, pelo mais fundamental bom-senso e pela lógica que “uma coisa não pode ser duas coisas ao mesmo tempo” (Cristo e pão).

O Santíssimo Corpo e o Preciosíssimo Sangue da Nosso Senhor estão sob as espécies de pão e vinho, mas não estão juntas, “irmanadas”, “consubstanciadas” no pão e no vinho: isso seria uma afronta à própria pureza do Cristo e uma negação do poder eficiente e eficaz de Sua majestade.

Espero ter respondido à sua questão. Não se furte em endereçar-nos suas dúvidas e em pesquisar em nosso site, na ferramenta de busca disponibilizada no canto superior direito da página, os temas com as palavras-chave de suas perguntas.

Nos corações de Jesus, Maria e José;

MMLP

Facebook Comments