• Autor: Pe. Arthur W. Terminiello
  • Fonte: Livro “The 40 Questions Most Frequently Asked about the Catholic Church by Non-Catholics” (1956) / Site “Una Fides, One Faith” (http://net2.netacc.net/~mafg)
  • Tradução: Carlos Martins Nabeto

– A Bíblia não nos diz, em 1Timóteo 2,5, que existe apenas um mediador? Por que então os católicos rezam para os Santos e para Maria?

Novamente, este é um exemplo de como tirar um texto do seu contexto. Na verdade, protestantes e católicos fazem uso de orações de mediadores SECUNDÁRIOS. Você não pede para o seu pastor para que ele ore por você? Você não pede para os seus amigos orarem por você? Se nenhum mediador SECUNDÁRIO é necessário, por que pedir-lhes para que orem por você? Por que não ir diretamente a Deus?

Como todos os cristãos, cremos que todas as graças chegam até nós através de Cristo como mediador PRIMÁRIO. Isto não significa, no entanto, que não devemos ir diretamente a Deus Pai ou ao Espírito Santo. A inferência lógica da tradução literal de 1Timóteo 2,5 é que devemos SEMPRE ir primeiramente a Cristo. Em sentido contrário, temos as palavras do próprio Cristo nos dizendo que, quando oramos, devemos dizer: “Pai nosso que estás no céu etc.”

Que o texto de 1Timóteo 2,5 NÃO deve ser tomado literalmente, resta evidente por outras fontes de São Paulo:

  • “Peço-lhes, portanto, irmãos, por meio de Nosso Senhor Jesus Cristo e pela caridade do Espírito Santo, que me auxilieis com as vossas orações por mim a Deus” (Romanos 15,30).

Da mesma forma, no Apocalipse, lemos:

  • “E quando Ele abriu o rolo, os quatro seres vivos e os vinte e quatro anciãos se prostraram diante do Cordeiro, tendo cada um uma harpa e vasilhas de ouro cheias de incenso, QUE SÃO AS ORAÇÕES DOS SANTOS” (Apocalipse 5,8).

Ainda neste mesmo livro inspirado:

  • “E a fumaça do incenso das orações dos Santos subiu diante de Deus, a partir da mão do anjo”.

A crença católica está baseada na doutrina do Corpo Místico de Cristo, ou seja, que todos os cristãos batizados são membros do Corpo Místico de Cristo e que todos estão trabalhando para os mesmos objetivos: a glória de Deus e a salvação das almas.

O próprio ato de buscar um intermediário e pedir que ele vá a Cristo é um reconhecimento de que cremos que todas as graças e bênçãos só podem provir Dele.

Além disso, não parece lógico que tenhamos permissão para pedir que seres humanos intercedam por nós e, ainda assim, seja proibido pedir aos Santos de Deus que orem por nós.

Oramos para Maria porque a influência dela sobre o seu Filho é maior do que a de qualquer outro Santo. Na terra, o poder dessa intercessão restou provado na festa nupcial de Caná, onde Cristo realizou o seu primeiro milagre antes do tempo estabelecido pela Divina Providência, porque Maria pediu que Ele o fizesse (cf. São João 2,1-11).

O poder dessa intercessão ainda existe no Céu, já que a relação mãe-Filho permanece e porque temos muitas evidências dessa intercessão aqui na terra, quais sejam, as aparições em Lourdes, Fátima etc.

Facebook Comments

Livros recomendados

Meditações para a Páscoa e PentecostesOs axiomas de Zurique – Os conselhos dos banqueiros suíços para orientar seus investimentosOrdo Missae – Ordinário da Santa Missa