Caros amigos.

Recentemente fui informado que a USP tem intercâmbio com a Alemanha no curso de Biologia. Não sei se são todos os campus da USP. Gostaria de saber se o catolicismo está em crise na Alemanha e também, se os alunos de Ciências Biológicas são os que mais têm tendências a seguirem a tal da Wicca e outras seitas ou ateísmo.

Minha outra dúvida é sobre a mulher. A Igreja é contra o fato da mulher sair de casa para trabalhar ? As creches são necessárias e devemos ajudá-las? Uma pessoa que se diz católica pode cumprir expediente de domingo?

Para finalizar, gostaria que vocês me ajudassem a discernir o que é vontade de Deus do livre arbítrio do homem. Afirma-se que foram os judeus que mataram Jesus, mas também, foi vontade divina que ele morresse na cruz para que depois ressuscitasse. Como eu devo entender isso? O fato de Jesus ter que morrer para ressuscitar, implica que alguém teria que matá-lo. Por que essa foi a vontade divina, ou seja, usar alguém para matar alguém? (Jesus poderia não ter sido morto?) E pq culpar os judeus se foi vontade divina? Essa talvez seja a minha maior dúvida.

Eu aguardo as respostas de vocês. Creio que isso me ajudará muito. Obrigado pela oportunidade.

João Mario

Caríssimo João, salve Maria.

Sua carta aborda e comporta vários temas. Seria muito longo e inapropriado explicar todos eles pormenorizadamente nesse espaço. Primeiramente recomendo uma pesquisa em nosso site, utilizando a ferramenta de busca, para melhor dirimir suas dúvidas.

Tentarei, resumidamente, responder às suas dúvidas.

Primeiro: a Igreja nunca esteve ?em crise?. O que há é um mundo que a despreza e a ataca sem piedade. Não há uma cadeira universitária que privilegia o descompasso e a apostasia com a Igreja. Isso é mais decorrência de fatores de uma civilização que valoriza o homem-externo, o antropocentrismo, do que o estudo de uma determinada disciplina.

Wicca, gnose e demais bruxarias são fenômenos tipicamente modernos: são a retomada dos aspectos ?telúricos? daqueles que estão saturados com todo o maléfico ? e, por que não: satânico ? cabedal de miragens, de ilusões que o mundo e o século impõe aos seus escravos.  Sabemos que a terra, a ?mãe gaia?, devora seus filhos de um modo frio e sepulcral; sabemos que o mundo despreza aqueles que o adoram…

A Igreja não fala nada sobre a mulher ter de trabalhar. Por força das obrigações de estado, por imposição das dificuldades que um casal enfrenta a mulher pode e deve ajudar. Não podemos esquecer também da dignidade que é própria da mulher como suporte, como apoio e como companheira do homem.

Particularmente eu não gosto de creches: os avós são uma excelente ajuda aos jovens casais para tomar conta dos filhos enquanto trabalham. Muitas vezes o casal não pode contar com esse recurso por inúmeras razões. Aí as creches se tornam o único recurso.

Nos bairros de baixa renda há todo um aparato para as famílias carentes. Nesse caso algumas Paróquias mantém creches para ajudar os seus membros e, no mais das vezes, estão abertas a todos que a procuram.

Nos Mandamentos da Igreja consta guardar os dias santos. O Domingo é o Dia do Senhor (Dominus) e deve ser respeitado. Além de ser dia da Santa Missa é um dia de recolhimento e meditação da misericordiosa graça de sermos católicos e em todos os gloriosos Mistérios que a Igreja nos apresenta.

O Livre-Arbitrio  é dom de Deus: é a liberdade que Ele nos outorgou. Nossa ruína e nossa glória. Ë o ?pelo qual? nos somos arrastados pela gravidade do pecado ou alçados a ventura da graça. Deus ?quer?que todos os Seus filhos se salvem; nos deu Seu Filho Unigênito, se deu a Si próprio como prova de Seu infinito amor, mas nos deu a liberdade de amá-lO sem constrangimento, ?de todo o nosso entendimento, de toda a nossa alma de toda a nossa força?.

Um pequeno poema de S. João da Cruz à guisa de finalização e despedida.

O FARDO DAQUELES QUE TENTAM SE MANTER ÍNTEGROS EM UM MUNDO CORROMPIDO…
…e que têm medo quando alguém lhe mostra que a vida também possui o seu lado doce, quando tudo lhe parece mergulhado em obscuridades.

“Oh! Como é miserável a condição da vida humana, onde se corre tantos perigos e onde se chega tão dificilmente ao conhecimento da verdade! O que há de mais claro e verdadeiro parece-nos mais obscuro e mais incerto; fugimos do que mais nos convèm; e, pelo contrário, o que brilha mais e satisfaz o nosso olhar é o que abraçamos e perseguimos, quando se trata do que há de pior para nós e de um perigo constante para a alma. Quem poderá dizer os perigos e os alarmes em que vive o homem na terra! De fato, a luz natural que nos deve guiar é a primeira a deslumbrar-nos e a perder-nos, no nosso caminho para Deus! Se se quiser encontrar o caminho seguro, é necessário fechar os olhos e caminhar nas trevas, para evitar os inimigos domésticos, quer dizer, os nossos sentidos e as nossas capacidades! A alma está pois bem escondida e defendida por uma boa guarda, nessa nuvem tenebrosa que se encontra à volta de Deus. Porque se ela é para o próprio Deus um tabernáculo e uma morada, sê-lo-á igualmente para a alma; será a sua muralha e a sua segurança de uma forma perfeita. A alma, é verdade, fica nas trevas, mas bem escondida; lá está protegida contra si própria e contra todos os outros perigos que lhe podem vir das criaturas, tal como já dissemos. É dessas almas que Davi fala também num outro salmo, quando diz: ‘ Vós os escondeis sob o refúgio da Vossa face, longe das intrigas dos homens; Vós os escondeis na tenda contra as línguas maldizentes'”.

E, para complementar o que o Santo disse: AS ARTIMANHAS AMOROSAS

?Eis que de repente os mergulha Nosso Senhor em tanta escuridão que ficam sem saber por onde andar, nem como agir pelo sentido, com a imaginação e o discurso. Não podem dar mais um passo na meditação, como faziam até agora. Submergido o sentido interior nesta noite, deixa-os Deus em tal aridez que, não somente lhes é tirado todo o gosto e sabor nas coisas espirituais, bem como nos exercícios piedosos antes tão deleitosos, mas, em vez de tudo isto, só encontram amargura e desgosto. Vendo-os Deus um pouquinho mais crescidos, quer que se fortaleçam e saiam das faixas da infância ? tira-lhes, portanto, o doce peito e os desce dos divinos braços, ensinando-os a andar com seus próprios pés?.

São João Da Cruz, ?A Noite Escura do Espírito?.

Facebook Comments

Livros recomendados

Retorno e SaídaNamoroOtimismo