Basta dar uma olhada ao nosso redor, e notar que não é difícil encontrar alguém com uma estampa do “grande” Che Guevara. São adesivos, capas de caderno, bonés e milhares de camisetas desfilando a famosa foto tirada por Alberto Korda, em 1960, com o rosto fechado, boina preta, barba e cabelos longos e o olhar ao longe meio misterioso. Acho que não existe no Brasil nenhum jovem que nunca tenha usado ou conhecido alguém que usou, uma dessas camisetas com essa foto do “guerrilheiro heróico”. Che já foi comparado a tantos ícones e personagens da nossa história, como São Francisco e até mesmo ao próprio Jesus Cristo. É uma espécie de símbolo que reúne qualquer tipo de rebeldia, luta por liberdade, sonho de mudar o mundo… que lindo né? quase chorei…

No meio da juventude católica tem grande popularidade, especialmente em meio a movimentos e pastorais que trasbordam ideais da Teologia da Libertação.São meninos e meninas devotos de São Che Guevara, com tão grande ênfase que só faltam colocar seu nome ao final da ladainha de todos os santos…Outros nem sabem nada a respeito dele, mas como já viram tanta gente com essa camiseta, acham legal, bonitinho usá-la.Ainda sim, juram que são totalmente contra modismos, não se prendem a regras de vestimentas ditadas pelas “elites” influenciadas pelos “malditos imperialistas” seja lá o que for o significado disso.Daí pra apoiar o presidente da Venezuela Hugo Chávez, com suas idéias brilhantes, é só um passo.Todo mundo assistiu de camarote a crítica de Chavéz ao presidente Uribe da Colômbia, que teria invadido o Equador em busca do número 2 das Farc.Uribe foi acusado de ser influenciado pelos Estados Unidos, e deixar que os norte-americanos metessem o bedelho na América do Sul causando esse mal estar diplomático.Afinal de contas é um “absurdo” entrar no país vizinho pra capturar um criminoso que age em seu próprio país.Se alguém concorda com isso, que mude pra Colômbia e faça sua inscrição naquela organização criminosa afinal de contas é sempre bom investir no futuro, não é mesmo?

O jornalista Diogo Mainardi da revista Veja publicou em 29 de Dezembro de 2006 que o senhor Olivério Medina (representante das Farc que mora aqui nesse país e conseguiu asilo político concedido pelo atual governo brasileiro) é marido de uma oficial de gabinete em um dos ministérios de Lula.A mesma revista também publicou que em Dezembro de 2007 as Farc enviaram para o Foro de São Paulo (organização de esquerda que se reúne quase que anualmente, para debater as diretrizes políticas esquerdistas na América latina, e tem como um de seus fundadores o partido dos trabalhadores) um documento cheio de elogios ao PT , justificando a ausência dessa entidade no tal Foro daquele ano, se estão fora nessa edição concluímos que estiveram em edições anteriores.

Enfim, lembrei de tudo isso só pra dar um pequeno exemplo, e perguntar: será que dá para relacionar essa maldita influência criminosa na política ‘esquerdóide’ brasileira com a venda de tantas camisetas com a tal estampa que falei a pouco?

Dizer que Che Guevara é uma espécie de avô cultural dessa massa guerrilheira como as Farc ou o Mir chileno, que seqüestrou Washington Olivetto há alguns anos, seria um “absurdo” só porque o querido Che disse “O revolucionário deve ser uma fria e seletiva máquina de matar” (citado por Jorge Castaneda; jornal “La Época”, do Chile, 31 Jan 97).

O “nobre” Frei Betto, que não tira a tal camiseta, disse no II Fórum Social Mundial em um inflamado discurso que “o homem novo deve ser filho do casamento de Ernesto Che Guevara com Santa Teresinha do Menino Jesus”.Bonita a sua comparação Frei Betto, o senhor é um poeta.

É muito “injusto” classificar alguém só por um pensamento ou outro, “seletiva máquina de matar” não é nada comparado com as Farc pois eles não são tão seletivos, matam qualquer um.O crime não compensa, mas anda lucrativo, com uma ajudinha de tantos presidentes que fazem vistas grossas.Quero deixar minha sugestão para o departamento comercial das Farc, que pare de vender drogas pois dariar muito mais dinheiro vender camiseta do Che, todo mundo gosta e a polícia não vai encher o saco.

Então, quem quiser usar a famosa foto de Che Guevara em alguma peça de roupa, saiba que não há diferença em usar a foto de Fernandinho Beira Mar, Chico Picadinho ou Jackie Estripador, todos apenas mataram pra defender seus interesses. Caso no fim desse artigo o leitor tenha classificado como exagerado ou fantasioso, pode se recorrer a aquela frase que os judeus do Antigo Testamento usavam em meio a uma situação de desespero “eu rasgo minhas vestes” , e tomara que esteja usando a camiseta do Che.

Facebook Comments

Livros recomendados

Estudos sobre o amorÉdipo MiméticoEnsaios Reunidos – Vol. II