Queridos jovens,

Acabamos recordar a história de São Francisco de Assis. Diante do Crucifixo, ele escuta a voz de Jesus que lhe diz: “Francisco, vai e repara a minha casa”. E o jovem Francisco responde, com prontidão e generosidade, a esta chamada do Senhor: repara a minha casa. Mas qual casa? Aos poucos, ele percebe que não se tratava fazer de pedreiro para reparar um edifício feito de pedras, mas de dar a sua contribuição para a vida da Igreja; tratava-se de colocar-se ao serviço da Igreja, amando e trabalhando para que transparecesse nela sempre mais a Face de Cristo.

Também hoje o Senhor continua precisando de vocês, jovens, para a sua Igreja. Queridos jovens o Senhor precisa de vocês. Também hoje ele chama a cada um de vocês para segui-lo na sua Igreja, para serem missionários. Queridos jovens, hoje o Senhor ama vocês, a cada um de vocês. Escute no coração, o que ele diz.

Eu penso que nós podemos aprender alguma coisa destes dias. Como nós tivemos que cancelar pelo mau tempo da realização dessa vigília no Campus Fidei, não estaria o Senhor nos dizendo que o verdadeiro Campo da Fé, o verdadeiro Campus Fidei, não é um lugar geográfico, se não que somos todos nós? Sim é verdade. Cada um de nós, vocês, eu, todos. E ser discípulo missionário significa dizer que somos o campo da fé de Deus. Por isso, a partir da imagem do campo da fé, pensei em três imagens que podem nos ajudar a entender melhor o que significa ser um discípulo missionário: a primeira, o campo como lugar onde se semeia; a segunda, o campo como lugar de treinamento; e a terceira, o campo como canteiro de obras.

1. O campo como lugar onde se semeia. Todos conhecemos a parábola de Jesus sobre um semeador que saiu pelo campo lançando sementes; algumas caem à beira do caminho, em meio às pedras, no meio de espinhos e não conseguem se desenvolver; mas outras caem em terra boa e dão muito fruto (cf. Mt 13,1-9). Jesus mesmo explica o sentido da parábola: a semente é a Palavra de Deus que é lançada nos nossos corações (cf. Mt 13,18-23). Hoje, todos os dia, mas hoje, de maneira especial, Jesus semeia.

Quando nós captamos a Palavra de Deus, então, somos o campo da fé. Por favor, deixem que Cristo e sua Palavra entrem na sua vida. Deixem entrar a Palavra de Deus, deixem que germine, deixem que cresça. Deus faz tudo, mas deixem Ele fazer, deixem que trabalhe no crescimento de vocês.

Jesus nos diz que as sementes, que caíram à beira do caminho, em meio às pedras e em meio aos espinhos não deram fruto. Com honestidade, nós podemos nos fazer a pergunta: Qual terreno somos ou queremos ser? Quem sabe se, às vezes, somos como o caminho: escutamos o Senhor, mas na vida não muda nada, pois nos deixamos aturdir por tantos apelos superficiais que escutamos; ou como o terreno pedregoso: acolhemos Jesus com entusiasmo, mas somos inconstantes e diante das dificuldades não temos a coragem de ir contra a corrente. Que cada um responda no seu coração. Tenho o costume de que o meu coração jogue nos dois lados e que satisfaça a Deus e ao Diabo? Cada um que responda em silêncio.

Mas, hoje, tenho a certeza que a semente está caindo numa terra boa. Não precisa de muita terra, basta um cantinho. Eu sei que vocês querem ser bons cristãos, não querem ser cristãos pela metade, nem “engomadinhos”, nem cristãos de fachada, mas sim autênticos. Tenho a certeza que vocês não querem viver na ilusão de uma liberdade que se deixe arrastar pelas modas e as conveniências do momento. Sei que vocês apostam em algo grande, em escolhas definitivas que deem pleno sentido para a vida. É assim ou estou falando de boca?

Fiquem em silêncio e que cada um diga a Jesus que quer receber a semente. Falem para Ele as pedras que há, os espinhos, a sujeira, mas mostrem o cantinho de terra que vocês oferecem. Em silêncio, vamos deixar entrar a semente de Jesus em cada cantinho. Lembrem deste momento, cada um sabe o nome da semente que entrou em você.

2. O campo como lugar de treinamento. Jesus nos pede que o sigamos por toda a vida, pede que sejamos seus discípulos, que “joguemos no seu time”. Acho que a maioria de vocês ama os esportes. E aqui no Brasil, como em outros países, o futebol é uma paixão nacional. Ora bem, o que faz um jogador quando é convocado para jogar em um time? Deve treinar, e muito! Também é assim na nossa vida de discípulos do Senhor. São Paulo nos diz: “Todo atleta se impõe todo tipo de disciplina. Eles assim procedem, para conseguirem uma coroa temporária.

Quanto a nós, buscamos uma coroa incorruptível!” (1Co 9, 25). Jesus nos oferece algo muito superior que a Copa do Mundo! Oferece-nos a possibilidade de uma vida fecunda e feliz e nos oferece também um futuro com Ele que não terá fim: a vida eterna. Jesus, porém, nos pede que treinemos para estar “em forma”, para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida, testemunhando a nossa fé.

Como? Através do diálogo com Ele: a oração. Eu pergunto para vocês, respondam em seus corações: Eu rezo? Eu falo com Jesus ou tenho medo do silêncio? Eu deixo que o Espírito Santo fale no meu coração? Eu pergunto a Jesus o que Ele quer que eu faça? O que Ele quer da minha vida? Isto é treinar-se. Perguntem, falem com Jesus. Se comentem erros na vida não tenham medo, falem: “Jesus olha o que eu fiz, mas eu não quero isso”. Mas, falem com Ele quando fizerem uma coisa boa ou ruim e, também, através dos sacramentos, que fazem crescer em nós a sua presença e nos conformam com Cristo; através do amor fraterno, do saber escutar, do compreender, do perdoar, do acolher, do ajudar os demais, qualquer pessoa sem excluir nem marginalizar ninguém. Queridos jovens, que vocês sejam verdadeiros “atletas de Cristo”!

Estes são os três treinamentos para seguir a Jesus: oração, sacramentos e ajuda aos demais. Repetimos juntos: oração, sacramentos e ajuda aos demais.

3. O campo como canteiro de obras. Quando o nosso coração é uma terra boa que acolhe a Palavra de Deus, quando se “sua a camisa” procurando viver como cristãos, nós experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos, fazemos parte de uma família de irmãos que percorrem o mesmo caminho; somos parte da Igreja, mais ainda, tornamo-nos construtores da Igreja e protagonistas da história. Pergunto a vocês: Querem construir a Igreja? Somos parte da Igreja. A gente se torna construdores da Igreja e protagonistas da Igreja. Meninos e meninas não fiquem atrás da história. Estejam na frente, joguem sempre na frente. Sejam protagonistas. São Pedro nos diz que somos pedras vivas que formam um edifício espiritual (cf. 1Pe 2,5).

E, olhando para este palco, vemos que ele tem a forma de uma igreja, construída com pedras, com tijolos. Na Igreja de Jesus, nós somos as pedras vivas, e Jesus nos pede que construamos a sua Igreja; e não como uma capelinha, onde cabe somente um grupinho de pessoas. Jesus nos pede que a sua Igreja viva seja tão grande que possa acolher toda a humanidade, que seja casa para todos! Ele diz a mim, a você, a cada um: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações!” Nesta noite, respondamos-lhe: Sim, também eu quero ser uma pedra viva; juntos queremos edificar a Igreja de Jesus! Digamos juntos: Eu quero ir e ser construtor da Igreja de Cristo!

No coração jovem de vocês, existe o desejo de construir um mundo melhor. Acompanhei atentamente as notícias a respeito de muitos jovens que, em tantas partes do mundo, saíram pelas ruas para expressar o desejo de uma civilização mais justa e fraterna. Os jovens nas ruas, são jovens que querem ser protagonistas da mudança. Por favor, não deixem que eles sejam protagonistas, sejam vocês os que mudem o futuro. Continuem superando a apatia e oferecendo uma resposta cristã às inquietações sociais e políticas que emergem em diversas partes do mundo todo. Sejam os construtores do futuro. Não fiquem olhando pela janela. Jesus não ficou olhando pela varanda, Ele se envolveu na vida. Mas, fica a pergunta: Por onde começar? Quais são os critérios para a construção de uma sociedade mais justa? Quando perguntaram a Madre Teresa de Calcutá onde deve começar a mudança na Igreja, ela respondeu: “Por você e por mim”. Agora pergunto a vocês, respondam em silêncio, se a mudança deve começar por mim, por onde eu começo? Que cada um abra o seu coração para que Jesus lhe fale por onde começar.

Queridos amigos, não se esqueçam: Vocês são o campo da fé! Vocês são os atletas de Cristo! Vocês são os construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Elevemos o olhar para Nossa Senhora. Ela nos ajuda a seguir Jesus, nos dá o exemplo com o seu “sim” a Deus: “Eis aqui a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua Palavra” (Lc 1,38). Também nós o dizemos a Deus, juntos com Maria: faça-se em mim segundo a Tua palavra. Assim seja!

Facebook Comments

Livros recomendados

A Paz na FamíliaLaques – Eutífron – vol. 6Poesia Reunida: 1985-1999