Espaço do Leitor

Leitor pergunta sobre crise nas escolas católicas

[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: César M.B. Guerra
Cidade/UF: Lauro de Freitas/BA
Religião: Católica

Mensagem
========

Caro Pedro,

Li seu último artigo sobre os efeitos terríveis da TL nos colégios católicos e me surpreendi que você conseguiu não citar nenhuma vez a CNBB quando sabemos que ela é a grande responsável e propagadora da TL no Brasil há décadas. Sinceramente, após o manifesto herético dos “presbíteros” na CNBB mais o CD da campanha da fraternidade com as “católica” abortistas, deixei de respeitar essa organização. Me diga por favor: Exagero?

Moro em Lauro de Freitas/BA e vi que você nasceu em Salvador. Se estiver morando pela região, poderíamos nos encontrar pessoalmente para conversarmos caso você ache oportuno.

Um abraço.

César

 

Prezado César,

J.M.J

Primeiramente é pertinente uma recordação. A CNBB é uma Conferência, e como Conferência tem uma influência extremamente restrita e delimitada. Muitas vezes cometemos o erro de supervalorizar sua importância, como se carregasse algum múnus sacramental e/ou doutrinário. Ora, quem herda a herança dos Apóstolos é o Bispo, não a Conferência. Dentro da CNBB existe uma miscelânea de idéias, desde a ortodoxia até a balbúrdia herética da “teologia da libertação”. Como definir de heterodoxa um órgão que já teve nas suas filareis, a sua frente, um Pastor do porte de D. Lucas e sua fidelíssima piedade? Ou então um D. Rafael Cifuentes? Um Dom Odilo? Etc, etc!

Realmente, a “teologia da libertação” é presente e influente dentro da CNBB, mas isso é reflexo da própria Igreja no Brasil. Se alguns leigos, Sacerdotes, Freis, Bispos, se deixam tomar por tamanha heresia, como impedir que os mesmos a levem para a Conferência? Vale frisar que os adeptos da TL são extremamente midiáticos, e usam tamanha influência para criar um cenário propício aos seus ideais, ou no mínimo que leve a sociedade brasileira a crer no triunfo do “marxismo cristão”.

O pertinente é que os bons Bispos não se preocupam em mostrar resultados pelos jornais e canais de TV. Os bons Bispos, como bons Bispos, estão preocupados com suas ovelhas no seu rebanho.

Se os colégios católicos entraram em franca decadência, a culpa não é da CNBB, mas sim dos Bispos, da estrutura religiosa nas dioceses, afinal é o Episcopado, com a espiritualidade na qual envolve seu rebanho, o responsável pelos fiéis, e não a Conferência. Mesmo se a CNBB fosse decadente, um Bispo devotado à Tradição teria capacidade e obrigação de inibir e execrar a suposta pérfida influência.

Em Cristo,

Pedro Ravazzano





About the author

Veritatis Splendor