Deus revelou-se como «o Forte, o Potente» (Salmo 24,8-10), Aquele para quem «nada é impossível» (Lucas 1,37). A sua onipotência é universal, misteriosa, e manifesta-se na criação do mundo a partir do nada e na criação do homem por amor, mas sobretudo na Encarnação e na Ressurreição do Seu Filho, no dom da adoção filial e no perdão dos pecados. Por isso a Igreja dirige a sua oração ao «Deus onipotente e eterno» («Omipotens sempiterne Deus»). Não há coisa alguma que seja impossível à sua onipotência.

Facebook Comments

Livros recomendados

Retratos do ImpérioOrdo Missae – Ordinário da Santa MissaEnergia Nuclear