Conteúdo Antigo

LEITOR PERGUNTA SOBRE A IDENTIDADE DE LÚCIFER

Nome do leitor: Cleisson
Cidade/UF: São josé dos campos SP
Religião: Católica

Mensagem
========

Gostaria de parabenizar vocês do Veritatis por este belo trabalho de evangelização através da Internet, e dizer que também fui protestante por um tempo e hoje sirvo a Igreja Católica em um grupo de oração em meu bairro com ministério de música e gostaria de saber de vocês se é real que Lúcifer era no Céu um anjo que ministrava o louvor e adoração, que era um anjo de luz eu já sabia mas sempre vejo comentar sobre isso e se for verdade gostaria de saber em que passagem bíblica ou documento que se encontra. É claro se for possível pois sei do desempenho de vocês em prol da evangelização, agradeço pela atenção e Deus abençoe todos vocês.

A PAZ DO SENHOR JESUS E AMOR DE MARIA VOS ENVOLVA …

RESPOSTA:

Prezado Cleisson,

A Paz de Nosso Senhor Jesus Cristo e as bênçãos de Maria!

Lúcifer era, sim, um anjo bom, criado por Deus. Como todos os anjos criados por Deus no início dos tempos, ele adorava ao Senhor.

Contudo Deus submeteu os anjos a uma prova. Da mesma forma como nós hoje estamos sendo provados, os anjos também o foram, para que Deus daí pudesse confirmar sua Fé e amor a Ele.

Pois bem, Deus apresentou aos anjos Seu Filho, Jesus Cristo, Homem-Deus, e sua Mãe Santíssima, a Virgem Maria, e exigiu dos anjos que adorassem a Cristo e venerassem sua Santa Mãe. Os anjos o fizeram.

Mas Lúcifer, anjo de luz (II Coríntios 11,14; São Lucas 10,18) o mais belo dos anjos do Céu (a Ode fúnebre ao Rei de Tiro retrata Lúcifer: Ezequiel 28, 11-19), em seu orgulho, devido a sua grande beleza (que o fez desejar ser como Deus, o que se depreende da tentação a Adão e Eva: Gênesis 3,5), recusou-se a adorar um “ser inferior”, um Homem (esta era a prova de Fé! Acreditar no Verbo Encarnado), e a venerar uma mulher. Outros anjos rebeldes o acompanharam. Mas Miguel levantou-se na Assembléia dos Anjos e bradou: “Quem como Deus?” (no hebraico: Mikael). E Deus o revestiu de força e poder para, comandando as Legiões Celestiais, expulsar Lúcifer e seus demônios dos Céus, e jogá-los no inferno (Apocalipse 12,7-9).

Esta é a história de Lúcifer e de seus demônios, e de como Miguel tornou-se o Princípe das Milícias Celestes. Em suma, creio que isso responde a sua questão. Pus no próprio texto as citações da Escritura que nos evidenciam estes dados.

Espero ter lhe ajudado. Reze pelo nosso Apostolado!

Atenciosamente,

Taiguara Fernandes de Sousa.

“Omnes cum Petro, ad Iesum per Mariam!”

(Todos com Pedro, a Jesus por Maria!)

Veja também  COMENTÁRIO DE SANTO TOMÁS DE AQUINO À 1A. CARTA DE SÃO PAULO AOS CORÍNTIOS