Fonte: Livro “Curso de Catequesis” do Editorial Palavra, España

Traduzido por Pe. Antônio Carlos Rossi Keller

INTRODUÇÃO

O Símbolo da Fé nos recordou o mistério da Trindade -Deus Pai, Filho e Espírito Santo- e o mistério da salvação em Cristo. Jesus Cristo fundou a Igreja para continuar na terra seu plano de salvação sobre os homens, até o fim do mundo. O que nós cristãos anunciamos e celebramos quando nos reunimos? O que a Igreja celebra e anuncia? O MISTÉRIO DE CRISTO.

O evangelho nos relata o encontro de Cristo com a mulher que sofria desde anos de uma grave enfermidade, sem que ninguém pudesse cura-la; ao aproximar-se de Jesus e tocar seu manto cheia de fé, recobrou a saúde, graças "à virtude que dele saia" (Marcos 5,30), como nos diz o Evangelho.

Cristo vive e atua na Igreja por meio dos sacramentos, que aplicam os méritos da Redenção continuando a obra salvadora que Jesus realizou no mundo. Os sacramentos são canais que recolhem a "virtude que sai" do peito aberto de Cristo, para curar as feridas do pecado e comunicar a vida nova aos que deles se acercam. Por isso, aquele que quer viver a vida de Deus, precisará participar da vida litúrgica da Igreja, que celebra os mistérios da nossa salvação em união com Cristo e sob a ação do Espírito Santo, para oferecer a Deus Pai a homenagem da adoração, louvor e ação de graças que Ele espera de Seus filhos.

IDÉIAS PRINCIPAIS

1. O que é a Liturgia da Igreja

A Liturgia é a obra com a qual Cristo -mediante sinais sensíveis- glorifica o Pai na unidade do Espírito e salva a humanidade, atuando como Cabeça invisível da Igreja, por meio de seus ministros, para perpetuar a obra da redenção no mundo.

Na Liturgia, pois, a Igreja exerce o culto público a Deus, de modo que toda ação litúrgica é obra de Cristo sacerdote e de sua Igreja -ação sagrada por excelência- cuja eficácia não se vê igualada por nenhuma outra ação da Igreja. Por outro lado, a Liturgia é participação na oração de Cristo e fonte de vida que mana do Salvador.

2. A Liturgia, obra da Santíssima Trindade

Na Liturgia intervem toda a Trindade. Deus Pai é adorado e louvado como fonte das bênçãos da criação e da salvação; Cristo -o único Liturgo- realiza a gloria de Deus e a salvação dos seres humanos pelos sacramentos; o Espírito Santo -como alma da Igreja- vivifica e impulsiona a obra de Cristo para leva-la à perfeição.

3. Os sacramentos da Igreja

Ainda que mais adiante se falará com maior clareza dos sacramentos, já podemos agora assinalar que a vida litúrgica da Igreja gravita em torno do sacrifício eucarístico e dos sete sacramentos: Batismo, Confirmação, Eucaristia, Penitência, Unção dos Enfermos, Ordem sacerdotal e Matrimonio.

4. A celebração dos sacramentos da Igreja

Ainda que existam diversas tradições (Ritos) dentro da única Igreja de Cristo, nas celebrações litúrgicas há elementos comuns:

a) Quem celebra. A Liturgia é obra de Cristo total, Cabeça e corpo; assim, toda a comunidade -o Corpo de Cristo unido à Cabeça- é quem celebra. Dentro das celebrações não tem todos os fiéis a mesma função, mas alguns, consagrados pelo sacramento da Ordem, tem o poder e a missão de representar a Cristo como Cabeça de seu Corpo.

b) Como celebrar. A celebração litúrgica compreende sinais e símbolos que se referem à criação (luz, água, fogo), à vida humana (lavar, ungir, partir o pão) e à história da salvação (os ritos da Páscoa). Todos estes elementos, pela ação do Espírito Santo, tornam-se portadores da ação de salvação e santificação de Cristo. Parte principal de toda celebração é a Liturgia da Palavra. Acompanha-se também, às vezes com cantos e musica. As imagens sagradas, presentes nas igrejas e nas casas, estão destinadas a despertar e alimentar nossa fé no mistério de Cristo.

c) Quando celebrar. O domingo, dia do Senhor, é o principal dia da celebração da Eucaristia, porque é o dia da Ressurreição. Durante o ano litúrgico, a Igreja desenvolve todo o mistério de Cristo, desde a Encarnação e o Nascimento até a Ascensão, Pentecostes e a espera do final dos tempos. No ano litúrgico, a Igreja venera com especial amor à Santíssima Virgem e faz memória dos mártires e dos demais santos. A Liturgia das horas ou Ofício divino é a oração pública da Igreja. Junto a ela situam-se de maneira complementar, as diversas devoções do Povo de Deus, particularmente a adoração e o culto à Sagrada Eucaristia.

d) Onde celebrar. Cristo é o verdadeiro Templo de Deus e nós cristãos, pela graça, somos também "templos do Espírito Santo". Mas a Igreja tem necessidade de lugares onde a comunidade possa reunir-se: são as nossas igrejas. Nestes templos, muitos deles verdadeiras obras de arte, a Igreja celebra o culto público para a glória da Santíssima Trindade; neles, se escuta a Palavra de Deus e cantam-se seus louvores; eleva-se o coração e se oferece o sacrifício de Cristo: a Santa Missa; as igrejas são também lugares privilegiados de recolhimento e de oração pessoal.

5. Temos de participar ativamente da Liturgia da Igreja

Se tivermos entendido bem este tema, teremos dado conta do quanto é importante participar das celebrações litúrgicas da Igreja -especialmente da Santa Missa- com a maior atenção e devoção. Nossa mãe, a Igreja, pede-nos que acorramos às celebrações de forma consciente (dando-nos conta do que fazemos), ativa (participando nas diversas cerimônias) e frutuosa (estando bem preparados para aproveitar ao máximo da celebração).

6. PROPÓSITOS DE VIDA CRISTÃ

· Participar sempre com devoção de qualquer celebração litúrgica da Igreja e, especialmente, da Santa Missa.

· Fazer freqüentes visitas à Igreja mais próxima, que é sempre um lugar privilegiado para o encontro com Deus, na oração.

Facebook Comments

Livros recomendados

Filhos e Pais – Sabedoria e orientação para os paisPaixão por vencerNão Trago Ouro Nem Prata