Amado Bispo,
Por uma Sociedade Católica!

O Apostolado Sociedade Católica tem plena consciência de seu dever de estar diante da Igreja, consumando a perfeita união com seu supremo pastor e doutor na pessoa do Vigário de Cristo e Santo Padre, o Papa; bem como com aqueles que, exercendo o Magistério Infalível da Igreja, e sendo eles mestres da fé, estão aderidos no seu episcopado ao Bispo de Roma. Estamos submetidos na fé e na razão aos sucessores dos apóstolos, e dispomos nossa missão enquanto cristãos, em prol do reconhecimento do que é universal em si: – a moral católica.

“Atendei ao Bispo, para que Deus vos atenda. Ofereço minha vida para os que se submetem ao Bispo. Possa eu, com eles, ter parte em Deus. Trabalhai uns com os outros e, unidos, combatei, lutai, sofrei, dormi, despertai, como administradores, assessores e servidores de Deus. Que o vosso batismo seja como escudo, a fé como elmo, o amor como lança, a perseverança como armadura. Vossos depósitos sejam as vossas obras, para que possais retirar as somas a que tendes direito” (Carta de Santo Inácio de Antioquia a Policarpo – Submissão ao Bispo)

Somos todos amantes irrevogáveis da Santa Madre Igreja, e como não podia ser diferente, também amamos aqueles que proclamam os valores universais da Igreja de Cristo. São esses os motivos pelos quais manifestamos nossa adesão incondicional a vós Reverendíssimo e Excelentíssimo Dom José Cardoso Sobrinho, que exercendo seu dever de sucessor dos apóstolos, está “ensinando [os povos] a observar tudo que Cristo prescreveu” (Mt 28, 20)

Com os joelhos depostos aos pés de Vossa Excelência, afirmamos e renovamos nossos compromissos assumidos no batismo, e nos comprometemos na prontidão de auxiliá-lo no seu múnus episcopal, e de unir nossa obrigação católica em benefício da vida, ao brado santo que se opõem à cultura da morte e ao hedonismo.

Sabemos de sua voz corajosa e cristã, de sua postura reta, de seu caráter católico que contradiz todos os veículos de comunicação e instâncias públicas, que desviando a finalidade do Estado Democrático de Direito, estão unindo forças para viabilizar, cada vez mais, que a morte seja a palavra de ordem. Não raro somos assombrados por um período da história que, diuturnamente, apregoa a necessidade de efetivação dos direitos humanos, mas em sentido diametralmente oposto ao senso de dignidade humana, que é pressuposto de qualquer direito que pretende ser dos seres humanos, reconhece e legitima – hora usando da lei positiva, outras do erário público -, que a morte, a interrupção da vida e sua indesejada concepção, seja objeto de debate livre e desmedido.

Ouvindo sua voz, estaremos ouvindo os apóstolos e o próprio Cristo. Temos certeza que a lógica de Cristo contradiz o pensamento daqueles que, marginalizam o próprio Senhor e seus seguidores, tentando vitimá-los com palavras de oposição ao Evangelho, não conhecendo a vida que dele brota. “Se o mundo vos odeia, sabei que me odiou a mim antes que a vós. Se fosseis do mundo, o mundo vos amaria como sendo seu. Como, porém, não sois do mundo, mas do mundo vos escolhi, por isso o mundo vos odeia” (Jo 15, 18 – 19).

Vossa Excelência é nosso chefe, e tudo que em nós existe pela graça, aos vossos pés está deposto, de forma que seja usado como aprouver ao Vosso Episcopado. Como servos estamos de joelhos, e como católicos, amamos os Bispos como filhos que amam o próprio Pai. Prontos para vos amar sempre mais, e em nossa pequenez, por fim, imploramos suas orações e sua santa benção.

Subscrevem,
Seus filhos do Apostolado Sociedade Católica,

Site: www.sociedadecatolica.com.br
Contato: [email protected]

Carlos Eduardo Maculan
João Batista Passos
Thiago Amorim Carvalho
Padre Tiago Roney Sanxo
André Luís Brandão
Ana Maria Bueno Cunha de Freitas
Fernanda Carminati Zambrotti Azevedo
Aline Rocha Taddei
Izabel Ribeiro Filippi
Leonardo José Silvestre

Pro Catholica Societate

Fonte: http://www.sociedadecatolica.com.br/modules/smartsection/item.php?itemid=84

Facebook Comments

Livros recomendados

Orar com os SalmosSabedoria e Inocência – Vida de G. K. ChestertonA Bala Perdida