O VS rotineiramente lança artigos e campanhas sobre as normas litúrgicas, defendendo que se as obedeça, que cessem os abusos e invenções na Missa, que se celebre a Missa do Missal, que se promova o latim no rito novo, que se celebre mais generosamente no rito antigo, e que, se o rito novo for feito em vernáculo, que se o faça com o esplendor próprio da liturgia.

Agora, um blog formado por várias pessoas, inclusive membros do VS, se propõe a reunir todo o material em defesa da liturgia bem feita, em obediência ao que manda o Papa, e ajudar padres, Bispos e leigos, a terem uma Missa correta em suas igrejas.

Trata-se do “Salvem a liturgia!”

Visitem: www.salvemaliturgia.com

Objetivos:
1. Favorecer o aumento da piedade eucarística, para que os fiéis creiam na Missa como renovação e atualização do sacrifício da Cruz, pela qual se tornam presentes, de modo real e substancial, o Corpo, o Sangue, a Alma e a Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, ainda que sob a aparência de pão e de vinho; fomentar a frutuosa, “plena, consciente e ativa participação” (Concílio Ecumênico Vaticano II. Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium, 14) de todos os batizados na Santa Missa, na Exposição do Santíssimo, na celebração dos sacramentos, no Ofício Divino, e nas demais cerimônias litúrgicas.

2. Promover a correta celebração da Santa Missa e dos demais ritos, por:
a) uma estrita observância das rubricas dispostas nos livros litúrgicos;
b) por um mais generoso aproveitamento dos recursos previstos para a solenização do culto;
c) pela consciência, por parte dos clérigos e dos fiéis, do rico significado de cada cerimônia, fortalecendo o devido, profundo e sacro respeito para com toda a nossa tradição litúrgica.

3. Popularizar, conforme pedido insistentemente pelos Papas, as cerimônias em língua latina, no rito romano moderno (forma ordinária, Missal de Paulo VI, pós-conciliar): que todas as igrejas e oratórios tenham a Missa em latim, ao menos semanalmente.

4. Colaborar com a implementação da “reforma da reforma”, mediante:
a) o uso freqüente do rito romano tradicional (forma extraordinária, Missal de São Pio V, pré-conciliar, “tridentina”), na esteira do Motu Proprio Summorum Pontificum;
b) o debate sadio e respeitoso acerca de como facilitar o desenvolvimento harmônico e orgânico da liturgia;
c) a pesquisa histórica e teológica sobre os diversos aspectos do rito romano em suas duas formas.

5. Incentivar a ampla utilização do canto polifônico e, principalmente, do canto gregoriano, “canto próprio da liturgia romana”, o qual “ocupa o primeiro lugar entre seus similares.” (Concílio Ecumênico Vaticano II. Constituição Dogmática Sacrosanctum Concilium, 116)

Facebook Comments