Jesus requer aos seus discípulos que O prefiram a tudo e a todos. O desprendimento das riquezas – segundo o espírito da pobreza evangélica – e o abandono à providência de Deus, que nos liberta da preocupação pelo amanhã, preparam-nos para a bem-aventurança dos «pobres em espírito, porque deles é já o reino dos céus» (Mateus 5,3).

Facebook Comments

Livros recomendados

Dispersão & Outros Poemas (18)A cólera dos imbecis – Cartas de um terráqueo ao Planeta Brasil – Volume XA monarquia constitucional e a contribuição de José Bonifácio de Andrada e Silva