São:

– um diligente exame de consciência;

– a contrição (ou arrependimento), que é perfeita, quando é motivada pelo amor a Deus, e imperfeita, se fundada sobre outros motivos, e que inclui o propósito de não mais pecar;

– a confissão, que consiste na acusação dos pecados feita diante do sacerdote;

– a satisfação, ou seja, o cumprimento de certos atos de penitência, que o confessor impõe ao penitente para reparar o dano causado pelo pecado.

Facebook Comments

Livros recomendados

A Idade Média e o dinheiro: Ensaio de uma antropologia históricaJoana d’Arc – A Donzela de OrléansPaixão por vencer