[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Daniel  Meira Fogaça
Cidade/UF: Itapetininga/SP
Religião: Católica

Mensagem
========

Pergunto: Jesus, Segunda Pessoa da Trindade Santa, teria se encarnado mesmo se a humanidade não tivesse decaído pela desobediência ao seu Criador?

Obrigado pela solicitude em me responder. Deus lhes abençoe.

Caro Daniel,

A paz de Nosso Senhor Jesus Cristo!

Não existe uma definição dogmática a respeito do assunto. O Beato Duns Scoto defendia a tese de que a encarnação ocorreria sem o pecado ou, o que é o mesmo, de que a razão formal da encarnação não é a redenção; o Doutor Sutil considera que essa razão consiste na perfeição intrínseca do Verbo Encarnado: Deus teria querido a encarnação de modo absoluto, por si mesma, e não em virtude do pecado de Adão (o qual, por suposto, a encarnação redime).

A tese mais clássica, entretanto, é a defendida por Santo Tomás de Aquino: para o Doutor Angélico, Cristo se fez homem para redimir a humanidade. O Aquinate assim justifica sua postura:

Sobre esta questão há distintas opiniões. Uns dizem que o Filho de Deus haveria se encarnado ainda que o homem não houvesse pecado. Outros sustentam o contrário. E parece mais convincente a opinião destes últimos. Porque as coisas que dependem unicamente da vontade divina, fora de todo direito por parte da criatura, só podemos conhecê-las por meio da Sagrada Escritura, que é a que nos descobre a vontade de Deus. E como todas as passagens da Sagrada Escritura assinalam como razão da encarnação o pecado do primeiro homem, resulta mais acertado dizer que a encarnação foi ordenada por Deus para remédio do pecado, de maneira que a encarnação não haveria tido lugar de não haver existido o pecado. Entretanto, não por isto fica limitado o poder de Deus, já que haveria podido se encarnar ainda que não houvesse existido o pecado (S.Th. III, q1, a3).

Santo Tomás sustenta a possibilidade lógica de uma outra razão para a encarnação; mas como os elementos de que dispomos na Revelação não nos permitem afirmar com segurança essa outra razão – o que faz com que as reflexões sobre ela constituam uma teologia meramente especulativa, que não pode ser comprovada na realidade (“realidade” aqui é o depósito da Fé) –, então devemos dizer que o motivo da Encarnação conhecido por nós é a redenção dos pecados. Outras razões até podem ser pensadas – como a que nos oferece Duns Scoto –, mas essas, se existem, só são conhecidas efetivamente por Deus.

Em resumo, eu não posso saber se o Senhor Jesus se encarnaria se Adão não houvesse pecado – ou seja, não posso responder diretamente a sua pergunta –, mas posso saber que Ele se encarnou para redimir a humanidade dos pecados, sem concluir categoricamente que essa é a única razão de sua encarnação.

Um abraço fraterno, no Senhor Jesus e sua Mãe Santíssima,

Joathas Bello

Facebook Comments

Livros recomendados

Do outro lado do rio, entre as árvoresBernardo de Claraval – Testemunha do seu tempo perante DeusO trabalho intelectual e a vontade – continuação de “A educação da vontade”