[Leitor autorizou a publicação de seu nome no site] Nome do leitor: Bruno César
Cidade/UF: Parnamirim/RN
Religião: Católica

Mensagem
========

Olá, sou cadastrado no grupo de atualizações do site no yahoo e verificando as últimas atualizações feitas por vocês me deparei com um texto do sr. Daniel Pinheiro, publicado em :”Quem Somos>Equipe do Veritatis Splendor”.

A minha dúvida reside na seguinte declaração de Daniel: “Descobri a verdadeira Tradição da Igreja Católica (no fundo, a própria Igreja), onde, para além da Renovação Carismática e da Teologia da Libertação, me encontrei.”. Inicialmente iria perguntá-lhes sobre a RCC, opnião etc, mas, como já é recomendação do site, resolvi pesquisar sobre tal assunto. Confesso que pensei, em vista da declaração do sr. Daniel, que fosse me deparar com críticas e refutações para a RCC, porém me deparei com um texto, “A IGREJA DEVE OU NÃO ACABAR COM A RCC?”, no qual vocês a defendem (colocando as críticas necessárias, o que é importantíssimo). Quanto a Teologia da libertação, eu entendo a posição dele (Daniel), visto que já vi muitas críticas aqui mesmo sobre essa vertente, mas chegar a criticar a RCC e dizer que ela não faz parte da verdadeira Igreja não seria muita pretensão? Vejam bem, nos primórdios da Igreja, São Paulo recomenda muito a utilizção dos carismas, tanto a oração em línguas, quanto palavras de profecia etc, em passagens como ICor12, 7-11; ICor 14,1. E em passagens como At 2,4; At 19,6 percebe-se claramente a utilizção dos carismas. Então, por que “excluir” a RCC dessa forma?

É fato que ela tem seus erros, mas por que defendê-la em um artigo e criticá-la, chegando ao ponto de dizer que não pertence à verdadeira igreja, se no início de tudo utilizava-se dos dons como a RCC pretende hoje?

Por fim, queria perguntá-lhes sobre a Comunidade Shalom, que surgiu da RCC. O que vocês tem a dizer sobre ela? Faço esta pergunta porque faço parte de um grupo de oração na comundade em Natal e não vejo nada que vá de encontro com a doutrina e a obediência da comunidade à Igreja. Pelo contrário, vejo uma liturgia que segue as normas a risca, uma formação que busca edificar, segundo documentos, catecismo e outras fontes da Igreja.

Após tudo isso, quero deixar claro que minha intenção aqui é buscar conhecimento a fim de dar razão a minha fé. E agradeço-lhes muito pela disponibilidade, pois esta é a minha principal fonte de informação a respeito de nossa Igreja.

Que Maria Santíssima os cubra com olhar materno. Fiquem com Deus e permaneçam cumprindo com esse belo serviço.

Caro Bruno César,

Primeiramente, obrigado pela atenção para com o Apostolado Veritatis Splendor, e pela sua mensagem, que me dá oportunidade de esclarecer alguns pontos. Transcrevo a frase que causou sua dúvida:

“Descobri a verdadeira Tradição da Igreja Católica (no fundo, a própria Igreja), onde, para além da Renovação Carismática e da Teologia da Libertação, me encontrei.”

 

Pelo que percebi em sua mensagem, você entendeu como se eu estivesse dizendo que a RCC “não faz parte da verdadeira Igreja”. Houve um mal entendido, e peço desculpas se o causei.

Na verdade, essa frase não tem cunho opinativo ou doutrinal. Quis apenas mostrar que, na minha experiência pessoal de vida, passei por organismos influenciados pela RCC e pela TL, porém não permaneci neles, por dois motivos. No caso da TL, por ter me aprofundado nos estudos sobre a doutrina da Igreja, e ter percebido as heresias que permeiam essa teologia. No caso da RCC, por uma opção de espiritualidade pessoal.

Então, quando digo que “para além” da RCC e da TL “me encontrei” na Tradição da Igreja, estou dizendo tão somente que me senti cumprindo melhor a vontade de Deus quando, em um momento posterior da minha vida, descobri um sentido maior para minha vocação pessoal através do estudo, da oração, e principalmente do contato com a Forma Extraordinária do Rito Romano (Rito Tridentino ou de S. Pio V), e não através da TL ou da RCC. Claro que estou longe de conhecer tudo da Igreja, mas creio estar cumprindo melhor a vontade de Deus onde estou.

Ressalto que aquela TL herética, marxista, da luta de classes, e rebelde ao Magistério e aos Papas é uma teologia condenada pela Igreja. Contudo, ela possui elementos de verdade, o que aliás pode torná-la ainda mais perigosa, por confundir os fiéis. A caridade para com os irmãos necessitados e a denúncia das injustiças sociais, por exemplo, são aspectos bons e louváveis, e fazem parte dos Ensinamentos da Igreja Católica. Ela não desaprova uma verdadeira “Libertação” baseada na Doutrina Social que foi estabelecida pelos Papas ao longo do tempo. Porém, não pude nem posso coadunar-me com os erros da TL herética. Sobre esses erros, você já deve ter lido alguns textos publicados no Veritatis. Se ainda não leu, indico o excelente “Dossiê sobre socialismo, TL e Doutrina Social da Igreja”, preparado pelo Dr. Rafael Vitola.

Quanto aos “excessos” da RCC, que você mesmo reconhece, recomendo novamente uma pesquisa nos textos do Veritatis Splendor, pois eles já falam sobre o assunto.  Particularmente e obviamente, comungo com o que é apresentado nesses textos, quer sobre a RCC, quer sobre a TL.

Por fim, você pergunta o que temos a dizer sobre a Comunidade Católica Shalom. Responderei de forma pessoal, pois já tive oportunidade de participar de alguns eventos. Posso testemunhar o grande amor que Moysés Azevedo (fundador), Emmir Nogueira (co-fundadora) e a Comunidade possuem pela Igreja. O Shalom faz um importantíssimo trabalho de evangelização, inclusive fora do Brasil, sendo reconhecido como Associação Internacional de Fiéis, a nível pontifício, ainda que em período “ad experimentum”. Tenho, então, grande apreço por essa Comunidade, embora não a conheça de perto nem participe dela.

Você escreveu em sua mensagem: “É fato que ela [a RCC] tem seus erros”. De fato, existem críticas a certos aspectos da RCC como um todo, que são considerados “abusos” ou “excessos”. A Comunidade Shalom faz parte, reconhecidamente, da RCC, mas não tenho como afirmar se algumas dessas críticas dirigidas à RCC como um todo se aplicam propriamente a essa ou aquela Comunidade em particular que não conheço com profundidade. Aliás, creio que essa espécie de avaliação, a rigor, deve ser reservada ao Magistério da Igreja.

Espero, então, ter dirimido suas dúvidas, e agradeço novamente a oportunidade de me esclarecer. Peço que ore pelo Veritatis Splendor, e despeço-me colocando-o em minhas orações.

Em Cristo,

Daniel Pinheiro

Facebook Comments