ARTIGO 1º – A QUAIS DOS ATRIBUTOS DIVINOS DEVE-SE REDUZIR A PROVIDÊNCIA DIVINA.

Respondo dizendo que as coisas que inteligimos de Deus, por causa da imbecilidade ou enfermidade do nosso intelecto, não as podemos conhecer senão a partir das coisas que existem junto a nós. E por isto, para que saibamos como a Providência é dita em Deus, deve-se examinar como a Providência existe em nós.

1. Deve-se saber, portanto, que Túlio, no segundo livro da Velha Retórica, colocou a providência como parte da prudência, a qual é parte da prudência como que completiva. De fato, as outras duas partes, a saber, a memória e a inteligência, não são senão certas preparações ao ato da prudência.

A prudência, porém, segundo o Filósofo no VI da Ética, é a reta razão dos agíveis. E diferem os agíveis dos factíveis, porque factíveis são ditas aquelas coisas que procedem do agente em direção à matéria externa, assim como uma cadeira e uma casa, e a reta razão destas coisas é a arte. Mas agíveis são ditos as ações que não progridem para fora do agente, sendo atos aperfeiçoantes do mesmo, assim como viver castamente, comportar-se pacientemente e outros tais, e destas a reta razão é a prudência.

Mas nestes agíveis duas coisas devem ser consideradas, a saber, o fim e aquilo que é meio para o fim. A prudência dirige naquelas coisas que são meios para o fim; de fato, alguém é dito prudente na medida em que é bom conselheiro, conforme é dito no VI da Ética. Ora, o conselho não é do fim, mas das coisas que são meios para o fim, conforme está dito no III da Ética.

Porém o fim dos agíveis pre-existe em nós de dois modos. De um primeiro modo, pelo conhecimento natural do fim do homem, o qual conhecimento natural pertence ao intelecto que é tanto dos princípios dos operáveis quanto dos especuláveis, conforme diz o Filósofo no VI da Ética. Ora, os princípios dos operáveis são os fins, conforme se diz no mesmo livro.

De um segundo modo, o fim dos agíveis pré-existe em nós quanto aos afeto, e segundo este outro modo os fins dos agíveis estão em nós pelas virtudes morais, pelas quais o homem se afeiçoa à vida segundo a justiça, a fortaleza ou a temperança, que é como que o fim próximo dos agíveis.

De um modo semelhante somos aperfeiçoados quanto às coisas que são meios para o fim, tanto quanto ao conhecimento como quanto ao apetite. Quanto ao conhecimento o somos pelo conselho, e quanto ao apetite o somos pela eleição, e em ambas estas coisas somos dirigidos pela prudência.

2. É evidente, portanto, que pertence à prudência dispor ordenadamente em relação ao fim certas coisas que são meios para se alcançá-lo. Ora, esta ação de dispor as coisas que são meios para se alcançar um fim, ordenando-as ao fim pela prudência, se dá por modo de um certo raciocínio cujos princípios são os fins. De fato, destes fins é que vem toda a razão da ordem situada em todos os operáveis, assim como manifestamente aparece nas coisas artificiais. Portanto, para que alguém seja prudente, é necessário que se tenha corretamente para com os próprios fins. Não pode existir, de fato, a reta razão a não ser que se salvem os princípios da razão. E por isso para a prudência se requerem o intelecto dos fins e as virtudes morais, pelas quais os afetos são corretamente postos no fim; e por causa disso é necessário que todo homem prudente seja virtuoso, conforme se diz no VI da Ética.

Ora, em todas as virtudes e os atos ordenados da alma isto é comum, que a virtude do primeiro se salve em todos os seguintes; e portanto na prudência de uma certa maneira inclui-se a vontade, que é do fim, e o conhecimento do fim.

3. Do que foi dito fica evidente como a providência se situa para com as demais coisas que são ditas de Deus.

A ciência, de modo geral, está tanto para o conhecimento do fim como das coisas que são meios para o fim; pela ciência, de fato, Deus conhece a si e às criaturas.

Mas a providência pertence somente ao conhecimento das coisas que são meios para o fim, na medida em que são ordenadas ao fim; e por isso a providência inclui a ciência e a vontade; porém, situa-se essencialmente no conhecimento; não, entretanto, no especulativo, mas no prático.

Já a potência é executiva da providência, de onde que o ato da potência pressupõe o ato da providência como um dirigente, daí que na providência não esteja incluída a potência assim como estava a vontade.

Facebook Comments

Livros recomendados

O Homem EternoIdéias e CrençasAsterix gladiador